Fanzine Brasil

SIOUXSIE SIOUX - SOPROS DE VIDA

Grandes homens, assim como grandes tempos são um material explosivo interior do qual uma força imensa é acumulada (....)

“DISCO DA BANANA”- A OBRA PRIMA IGNORADA

Eu sabia que a música que fazíamos não podia ser ignorada

SEX PISTOLS - UM FENÔMENO SOCIAL

Os Sex Pistols foram uma das bandas de Rock mais influentes da história.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

AFINAL, COMO SURGIU O CINEMA?

Um breve questionamento e historio sobre o assunto.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

WOLF CITY - AMON DUUL II

Wolf City é um dos maiores clássicos do Rock Progressivo. É um álbum que celebra magicamente este gênero musical, e que é foi gravado por artistas imensamente talentosos

segunda-feira, 8 de agosto de 2022

ZINE CAST - #00: LOU REED, O POETA SELVAGEM DO ROCK 'N' ROLL

 Produção: Fanzine Brasil

Edição: Sidan Rogozinski

O nosso episódio inaugural explora o legado artístico de um dos maiores nomes da história do Rock & Roll: Lou Reed, um compositor selvagem e subversivo que se firmou como um dos maiores nomes do protopunk. Sua proposta lírica abordava temáticas incomuns, expondo faces sombrias e niilistas da existência, cujos protagonistas eram anti-heróis e rebeldes. A forma de cantar de Lou misturava melodias com uma declamação poética mais livre e despretensiosa. Juliana Vannucchi convidou o escritor Camilo Nascimento para uma conversa descontraída através da qual a dupla buscou mergulhar nas produções dessa lenda desafiadora das tradições, chamada Lou Reed. 

https://soundcloud.com/juliana-vannucchi/zinecast-00-lou-reed-o-poeta-selvagem-do-rock-com-camilo-nascimento


 

terça-feira, 2 de agosto de 2022

THE ONLY ONES: VALE A PENA CONHECER A LENDÁRIA BANDA DE PETER PERRETT

Por Juliana Vannucchi

A década de setenta foi um período de efervescência para o rock e, tanto no Reino Unido quanto nos Estados Unidos, esse gênero musical passava por grandes transformações estéticas. Na época, o protopunk estava consolidado e inspirava o nascimento do punk rock. Inúmeras bandas qualificadas surgiram nesse período, e uma delas foi a icônica The Only Ones, surgida em Londres, no ano de 1976 e composta por Peter Perrett, Alan Mair, John Perry e Mike Kellie.

O primeiro álbum do grupo veio à tona em 1978 e contava com a faixa "Another Girl, Another Planet", um dos maiores clássicos dessa década e maior sucesso da história do The Only Ones. Posteriormente, a banda lançou apenas duas outras gravações de estúdio, separando-se em 1982 e se reunindo brevemente apenas em 2007. De modo geral, o The Only Ones não teve nem uma década de existência, porém, esse breve tempo de atividade foi suficiente para que o quarteto cravasse seu nome na história do rock. Ademais, a sonoridade que produziram era dinâmica e muito distinta daquilo que o mercado londrino consumia – tanto no que diz respeito ao punk quanto em relação ao pós-punk. Isso talvez tenha os ofuscado um pouco e certamente eles não interessavam tanto à grande indústria e aos meios de comunicação. De qualquer forma, obtiveram sucesso e chegaram, inclusive, a fazer algum sucesso no Brasil, onde são conhecidos pelos fãs de rock alternativo e pelos amantes do punk rock.

 

Peter Perrett é um dos grandes nomes dos anos setenta
 

Peter Perrett, vocalista, compositor e virtuoso guitarrista, merece aqui uma atenção especial: ele é reconhecido como um dos nomes mais influentes e originais dos anos setenta. Linhas de guitarra que exploram texturas diversificadas mesclam-se com sua voz rouca, diferenciada, apaixonante e poética, que lança uma espécie de feitiço no ouvinte: uma vez que você escuta o timbre da voz de Perrett, você se torna refém dela para sempre. Depois que o The Only Ones se separou, Perrett aventurou-se no grupo The One durante os anos noventa, embora esse projeto musical não tenha emplacado. Bem mais tarde, em 2017, lançou seu primeiro álbum solo, "How The West Was Won", e depois o "Humanworld", duas obras de arte primorosas em todos os aspectos possíveis. Aliás, muitos indagam se o rock ainda vive. Se você tem dúvidas em relação a isso, simplesmente escute os dois discos solos de Perrett e navegue pelo legado deste grande artista inglês que são muito originais e resgatam com maestria a aura do rock setentista.  

 


 




OBRAS DE FOTÓGRAFO BRASILEIRO SÃO DESTAQUE NA EUROPA

Por Juliana Vannucchi

Nascido em Belém, no Pará, o fotógrafo Bruno Cecim, atualmente, é considerado uma referência nacional em assuntos ligados à Amazônia, aos povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas, além de se destacar quando o tema é ecologia. Trabalhando com cinema e fotografia há mais de vinte anos, tem obtido cada vez mais reconhecimento no Brasil, e ultimamente as suas obras também vem atraindo olhares internacionais.

Os primeiros passos de sua renomada carreira foram dados no ano de 2000. Desde então, Cecim ministrou diversos cursos, workshops e palestras sobre fotografia, fotojornalismo e cinema. Ao longo de sua trajetória, o artista paraense participou de inúmeras exposições de arte e de fotografia, como “O Olhar que Vem da Terra”, na Galeria Virgílio, em São Paulo, em 2012, e uma exposição organizada pela Arfoc-Associação de Repórteres Fotográfico e Cinematográficos do Estado de São Paulo, em 2008. Bruno também tem alguns de seus curtas-metragens selecionados para festivais de cinema, como Mostra AudioVisual Paulista, Cinefest e Mostra Sesc Belém de Cinema. Vale citar ainda que em prolífica carreira, importantes personalidades foram fotografadas por ele: Lula, José Serra, Alckmim, Pelé, Ronaldo Fenômeno, Gisele Bündchen e até o Papa Bento XVI.  Todos esses registros foram publicados nos principais jornais, revistas e portais de notícias nacionais.

O ano de 2022, particularmente, está sendo bastante proveitoso para Bruno Cecim, que ultrapassou as fronteiras do país para presentear o continente europeu com suas fotografias, que são não apenas poéticas e criativas, mas também críticas e embutidas de propostas reflexivas. No primeiro semestre deste ano, o artista participou de uma exposição ambiental na galeria MADS Art Galllery, em Milão, na Itália, na qual expôs uma obra intitulada “Legado”.  Cecim criou essa série fotográfica focada nos índios do Sul do Pará: “Nesta série, eu quis apresentar os indígenas em seu contexto histórico-cultural, porém com as marcas deixadas pelo colonizador, ou melhor, pelo opressor, que destrói a natureza e a cultura do lugar”. Destaque entre mais de 120 artistas da exposição, a sua participação lhe rendeu um prêmio na categoria Especial, o que o levou a participar de outra exposição, chamada “Ars Tempus”, também em Milão. Dessa vez, apresentou uma obra chamada “Ciclos”, que aborda a questão da impermanência do tempo e suas transformações efêmeras.  A foto mostra uma imagem colorida de um relojoeiro em oficina, acompanhada de outras imagens sobrepostas que falam do tempo e também da perda, configurada por um cemitério. 

Cecim também teve uma fotografia exposta na Espanha, em uma amostra chamada Visceral, da qual fizeram parte artistas de diversos cantos do mundo. Essa sua obra chama-se “Passando a Boiada” e nos remete a dois grandes mestres da pintura moderna, Pablo Picasso e Francis Bacon. Por meio de imagens superpostas do interior de um matadouro em uma cidade localizada na Amazônia brasileira, o fotógrafo paraense faz alusão ao protagonismo do gado no agronegócio existente na região. O título da obra foi inspirado numa fala irresponsável do ex-ministro Ricardo Salles que, em abril de 2020, usou a expressão “passar a boiada” para se referir à tentativa de flexibilizar as leis ambientais no país. Levando em conta esse contexto, a imagem retratada por Bruno é uma espécie de grito de socorro que rompe as fronteiras de nosso país e ecoa por todo o planeta, mostrando ao mundo as dificuldades ambientais enfrentadas em solo brasileiro. Bruno nos contou: “Estou honrado em expor minha obra na Europa. A obra reflete inúmeras coisas, especialmente a questão do abate e tudo o que isso representa: desmatamento, devastação e exploração do meio ambiente”. 

Os registros de Bruno são dignos de respeito, pois as imagens que retrata não são apenas visualmente belas, mas também portam mensagens profundas. Cecim deve ser visto como um fotógrafo militante, e nosso país, mais do que nunca, precisa de personalidades aguerridas como ele. A câmera em suas mãos transforma-se num instrumento de ativismo ambiental, político e social. Que o fotógrafo sirva de inspiração para o Brasil e que cative o mundo com suas artes e denúncias. 

 

Conheça mais sobre o trabalho do fotógrafo Bruno Cecim:

Portfólio virtual:

https://www.canva.com/design/DAE7EqA6Yt8/qyWVAMJjRy96JDfYtTlBbA/view

Instagram:

https://www.instagram.com/brunocecimphoto/





OLHEM PARA AS RUAS: MAKING OFF

Por Juliana Vannucchi

A Gangue Morcego já se firmou como um dos principais nomes do pós-punk nacional. Olhem Para as Ruas é um dos álbuns mais célebres do gênero e um dos mais admirados pela equipe do Fanzine Brasil. Nossa paixão nos levou a destrinchar alguns detalhes que marcaram os bastidores da gravação do EP. Confira a seguir, com exclusividade, uma série de curiosidades e histórias que se ocultam por trás dessa obra-prima. 

Um tour pelas faixas do álbum:

Dias Escuros:

A letra dessa icônica faixa inaugural aborda o inconformismo e o sufocamento impostos pelo ambiente urbano. “Dias Escuros” não apenas abre o EP como também foi a primeira música criada pela banda, embora  tenha sido a última a ser escolhida para compor o álbum.

É válido citar que a música tem uma particularidade: ela foi quebrada ao meio pela banda e, com imensa criatividade, foi usada tanto na abertura quanto no encerramento do álbum.


Olhos Incertos:

Curiosamente, a letra dessa faixa não foi escrita por nenhum membro da GM, mas sim por um amigo dos músicos, chamado Kal Reis. Querido pelos integrantes da banda, Kal sempre foi um grande apoiador do grupo, tendo ajudado a Gangue com peças gráficas e também com a administração de redes sociais. Aliás, foi ele que elaborou o primeiro logo da banda.

Um fato digno de menção é que essa música foi a mais desafiadora do álbum para o talentosíssimo Daniel Kaplan, pois ele nos contou que a faixa já estava criada antes de sua entrada na GM e, por isso, o seu processo de composição, naturalmente, era diferente do estilo do músico.


Sobrenatural:

Essa composição fala a respeito da maneira pela qual todos nós somos obrigados a estar ao lado de outsiders e desajustados, com os quais, felizmente, muitas vezes nos identificamos.

Um fato curioso é que no início dessa faixa é possível perceber ruídos de garrafas sendo batidas. Essa sonoridade foi extraída de uma cena do filme “Warriors, Selvagens da Noite”, no qual há uma cena em que o vilão provoca a gangue dos Warriors batendo garrafas com as mãos (você pode conferir isso no vídeo abaixo).


Zero Hora:

Durante a gravação da faixa “Zero Hora”, alguém abriu a porta do estúdio, no final da sessão de gravação da voz, fazendo com que o som de um latido vindo de fora fosse captado pela gravação. Thiago Halleck nos contou que os membros do grupo optaram por manter o som canino na faixa, levando em conta que a letra aborda uma temática urbana.

Não Quero Mudar:

“Não Quero Mudar” não foi gravada sem metrônomo por ser uma faixa mais punk. Segundo Thiago Halleck, havia uma intenção de mantê-la mais “crua”.

Originalmente, a música é de uma outra banda punk, chamada Infected, na qual DaniEl Sombrio tocou como baixista. Os membros desse grupo autorizaram que a GM a usasse. Ricardo Moralha foi o compositor. A letra fala sobre o sentimento de revolta em relação à sociedade. A esse respeito, DaniEl reflete: “É sobre ter opinião forte e não se guiar pela opinião alheia. É sobre não querer mudar em função do que os outros pensam e dizem”.

Gato Preto:

A letra, em suma, é sobre o Gato Félix. Na composição dessa faixa, foi aplicado um efeito de fita K7 antiga com algumas oscilações. Isso foi feito para modular o som e dar uma sutil sensação de incômodo nos ouvidos. Tampa da caneta e isqueiro foram usados para arranhar as cordas da guitarra e do baixo.

 A Dança Não Para:

A letra foi composta após o falecimento do baixista Menescal, que fez parte da GM entre os anos de 2013 e 2014.

Além de ser motivada pela perda desse integrante, a canção também é encoberta por uma carga de inspirações provenientes do Hinduísmo.

No dia em que a compôs, Thiago Halleck acordou muito cedo e agitado.  Nesse estado de inquietação, ligou rapidamente seu computador e logo começou a criar o arranjo da música. Ele nos contou que esse processo foi espontâneo e intuitivo. Em seguida, o baixista compartilhou essa composição inicial com os outros integrantes do grupo, que deram suas respectivas pinceladas colaborativas.

Poucos dias depois, ele escreveu a letra da música. Um trecho em particular foi escrito pelo pai - que é hinduísta - do tecladista do grupo. Ele escreveu um texto no qual reflete sobre o falecimento de Menescal, dizendo que acreditava que seu espírito estava do outro lado da lua, sendo recebido com uma grande festa por deidades hindus e por entes queridos já falecidos. Lá eles celebrariam a obra de arte que foi a vida de Menescal. A letra foi baseada em passagens desse texto e também foi inspirada numa mensagem de conforto que um amigo, o Fábio, vocalista do Clashing Clouds, escreveu para a mãe do jovem músico falecido.

Uma curiosidade aos fãs: a música quase se chamou “Perdidos no Céu”, que é uma frase da letra. Outro aspecto interessante que vale a pena ser mencionado é que quando DaniEl Sombrio estava tocando o teclado para gravá-la, ele esbarrou numa tecla qualquer que foi captada pela gravação. Os integrantes da banda optaram por manter o som, mas adicionaram alguns efeitos em cima, transformando-o num ruído estranho que pode ser percebido na introdução.

 

A Dança Não Para (No Outro Lado Da Lua) é a faixa mais popular da banda

Album Cover:

As artes da capa e contracapa foram feitas por Alexandre e Daniel. As cenas presentes em cada janela fazem alusão a cada uma das faixas do álbum. A lua ouvindo música, por exemplo, remete à faixa “A Dança Não Para…”. Em relação ao processo criativo, Daniel explicou: “Eu fiquei encarregado da direção de arte. O Alexandre foi quem realmente colocou a mão na massa, elaborando a ilustração e a finalização através de um programa gráfico”. As principais inspirações estéticas foram os Film Noir e os desenhos animados dos anos 20. Nesse contexto, vocalista nos relatou sua afeição pelo Gato Félix: “Gosto do desenho desde a infância. Tinha algumas fitas VHS e me lembro de ter tido muitos sonhos bizarros depois de ter visto o filme de 89. Não lembro mais se o filme era realmente bom, acho que vou procurar para assistir (hahaha), mas me recordo que tinha momentos bem psicodélicos”. 

 


 

Memorabilia: 

Confira algumas das recordações mais marcantes que os integrantes da banda carregam com eles.

Daniel: 

Daniel guarda com carinho o conjunto de memórias das sessões de gravação feitas com o Sérgio Filho [proutor], pois os integrantes da banda adoravam jogar conversa fora e davam muita risada com o Sérgio. Aliás, vale citar que uma parte dos teclados foi gravada na casa do produtor e a outra parte no Estúdio Overlud, na Vila Isabel, onde a Gangue gravou o "Olhem para as Ruas".

Kaplan:

“Lembro-me de, durante uma das viagens pra São Tomé das Letras, comandar a gravação/produção do 1º take instrumental de Dias Escuros só com um laptop e interface. Esses processos de gravação DIY feitos em galera são sempre interessantes, são como um pedaço de férias no meio da vida. Além disso, dar essa primeira escutada no que a gente é capaz de fazer numa situação de gravação antes do processo do disco começar dá uma confiança extra na hora de entrar no estúdio”.

Alexandre:

Para Alexandre, cada layer a mais com os instrumentos e texturas trabalhados o deixava progressivamente mais satisfeito. O vocalista declarou: “Quando o Sérgio mostrou algumas possibilidades de distorção para alguns trechos das músicas para parecer uma gravação antiga, eu fiquei muito feliz”.

Thiago:

Thiago se recorda que esfihas foram o principal combustível da banda. A tradicional tortinha de origem síria foi uma marca registrada do período de gravação e foi o principal alimento que os manteve em pé!

Raio X da morcegada:






segunda-feira, 23 de maio de 2022

JOAN JETT: A RAINHA DO ROCK AND ROLL

     Por Juliana Vannucchi

Nascida em 1958, na cidade de Wynnewood, Joan Marie Larkin, artisticamente conhecida como Joan Jett, tornou-se uma das maiores lendas do Rock And Roll. 

Pertencente a uma família protestante, Jett era a mais velha de três irmãos e era filha de um vendedor de seguros e de uma secretária. Aos 13 anos, ganhou seu primeiro violão como presente de Natal e logo começou a fazer aulas. Porém, foi desencorajada por seu professor, que disse que mulheres não tocavam Rock And Roll. Com essa mesma idade, mudou-se para Los Angeles, cidade na qual recebeu muita influência do Glam Rock e onde encontrou a música como refúgio para a dor causada pelo divórcio de seus pais. Antes de seguir a carreira musical, Jett chegou a trabalhar num refeitório que, de acordo com ela, servia comida para algumas pessoas que eram muito desagradáveis. E certa vez chegou a confessar que se não tivesse sido cantora, gostaria de ter sido astronauta, arqueóloga ou atriz. Mas, para a nossa felicidade, o destino a levou aos trilhos do Rock And Roll. Aos 15 anos, Joan Jett formou a banda The Runaways, que enfrentou muito preconceito por ser composta apenas por mulheres. Segundo Jett, isso ocorreu principalmente pelo fato de, naquela época, as atividades do meio musical serem feitas, em sua maioria, por homens.  A cantora chegou até a declarar que seria certo atribuir as mesmas vagas às mulheres. Além de o grupo ter convivido com atitudes machistas, as integrantes eram constantemente encaradas como entretenimento sexual. A esse respeito, Jett chegou a declarar: “Com as Runaways, eu fiz questão de não enfatizar a sexualidade (...) Faça seu trabalho, toque sua música. “As pessoas vão pensar que isso é sexy”. Os preconceitos enfrentados foram muitos, pois naquela época o mundo simplesmente não estava pronto para encarar garotas portando instrumentos musicais em cima de um palco. Soava como algo vulgar, desafiador e inapropriado. 

 

(...) uma mulher livre e diferenciada, sempre em guerra com o conservadorismo machista que esteve presente no início de sua trajetória.
 

Há um fato muito curioso por trás do maior sucesso da carreira de Joan Jett: certa vez, ela sugeriu que o grupo gravasse uma versão cover da música "I Love Rock And Roll", originalmente gravada pela banda britânica Arrows. Contudo, as meninas do The Runnaways rejeitaram a ideia. Mais tarde, quando a banda rompeu e Jett iniciou sua carreira solo, ela gravou sem sucesso uma versão com Paul Cook e Steve Jones, dois integrantes do Sex Pistols. Em 1980, tentou lançar seu primeiro álbum solo, mas a produção foi recusada por mais de vinte gravadoras. Isso fez com que a ex-Runnaways criasse sua própria gravadora, chamada Blackheart Records – com isso, aliás, ela se tornou a primeira mulher a criar uma gravadora própria. Ainda em 1980, formou a banda “Joan Jett And The Blackhearts” e, em 1982, lançou a vigorosa e lendária versão da faixa do Arrows, que se tornou um clássico atemporal do Rock. 

Jett se tornou um mito. É uma das mulheres mais elogiáveis do meio musical e, desde os primeiros passos, teve uma carreira próspera, sendo uma mulher livre e diferenciada, sempre em guerra com o conservadorismo machista que esteve presente no início de sua trajetória. Símbolo de resistência, sobreviveu a muitos golpes e venceu preconceitos para se firmar na cena musical e, devido a todas essas lutas e a muita determinação, tornou-se um símbolo de inspiração para inúmeras mulheres. Certa vez, numa entrevista concedida ao The New York Times, foi questionada sobre ser feminista. Jett refletiu a esse respeito: “Não sei se me considero feminista. Esses rótulos realmente não parecem completos para mim. A definição de feminismo de cada pessoa é diferente. Se feminismo significa ser igual e ser capaz de fazer tudo o que você definir em sua mente, então sim. Isso não deve ser baseado em seu gênero”.  

Joan Jett se tornou vegetariana no início dos anos oitenta e hoje em dia se considera quase vegana. Já declarou que ama animais e disse à Rolling Stones que se ela se aposentasse do meio musical, gostaria de trabalhar em algum abrigo. Atualmente, em seu tempo livre, ela cozinha, surfa na praia, assiste à televisão, cuida de seus dois gatos e praticamente não ingere bebidas alcoólicas. 

Referências:

https://www.nme.com/features/music-interviews/joan-jett-interview-band-asks-thats-close-can-maybe-get-kurt-giving-thumbs-2393506

https://www.rollingstone.com/music/music-news/joan-jett-built-to-rock-128185/
https://en.wikipedia.org/wiki/Joan_Jett

https://www.nytimes.com/2018/09/27/movies/joan-jett-bad-reputation-documentary.html

https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2020/nov/14/joan-jett-interview-brush-with-the-law-got-arrested-on-tour

UMA DÉCADA DE HISTÓRIA E UM BRINDE AO BALLET CLANDESTINO

Por Juliana Vannucchi

Globalmente falando, 2012 foi um ano um tanto peculiar. Nessa época, reinavam teorias da conspiração sobre o fim do mundo. Contudo, enquanto alguns supersticiosos construíam bunkers e estocavam alimentos, um trio paulista de amigos, composto por Vinícius Primo (guitarra e voz), Natan (baixo e voz) e Cecília (bateria) se reunia, afinava seus instrumentos, escrevia suas letras e iniciava sua bem sucedida trajetória musical. A respeito dos primórdios, Primo comentou: “Nascemos timidamente e sem pretensão alguma sequer de fazer show. Na realidade, a banda surgiu como um projeto bem despretensioso e calcado na linguagem sonora das Mercenárias. E obviamente essa influência das Mercenárias persiste até hoje, pois é uma banda da qual gostamos demais”. Para alguns era o fim do mundo, para outros, o pontapé inicial de uma jornada musical admirável (e repleta de shows! Primo estava errado!!).

De lá para cá, a banda passou por uma mudança: em 2013, a baterista Cecília, que fez parte da formação inicial, deixou o grupo, e Rocero assumiu as baquetas: “Era um amigo meu e do Natan, que também compartilhava das mesmas influências e perspectivas musicais que a gente. Com ele na banda, o lance dos ensaios ficou mais contínuo, as músicas foram surgindo e a linguagem pós-punk se desenvolvendo. O novo membro da banda contribuía com ideias, riffs, letras, etc.”, recorda-se Vinícius. A partir de então, com uma sonoridade sombria que se inspira no punk rock setentista e no pós-punk, a banda reuniu uma discografia volumosa, composta por um total de 4 EPs, dos quais o primeiro foi lançado em 2015, e um splt ao vivo com a banda irmã Tempos de Morte. Todos, inclusive o split, foram lançados em de forma física em fita k7. Em 2019, houve outra mudança na bateria, e Rocero foi substituído por Tiofrey. Segundo Natan, “Com sua entrada observamos a introdução de uma pegada robusta nas músicas, apropriando-se da bateria de uma forma magistral e energética”.

 

"A evolução é constante. A cada show realizado e críticas apontadas, buscamos crescer".
 

Atualmente a banda figura entre os principais nomes nacionais do pós-punk. O mundo não acabou e agora, em 2022, o Ballet Clandestino está completando uma década de existência. A esse respeito, Vinícius refletiu: “Em 2022 chegamos aos dez anos, e para te falar a verdade, nem parece (risos). Acho que devido a esses dois últimos anos estarmos na pandemia. Então não ensaiamos com frequência, não teve nenhum show e tal.  Nosso último EP, Descompasso Cinza, saiu bem na pandemia, em julho de 2020, e com isso ainda sinto que não o divulgamos como deveríamos. Voltamos com os shows agora e ainda não pensamos em algo para marcar esses dez anos de existência”. Perguntei ao grupo como eles enxergam a trajetória acumulada ao longo de todo esse tempo de estrada. Natan refletiu: “A evolução é constante. A cada show realizado e críticas apontadas, buscamos crescer. Observamos que não somos os mesmos no palco se fizermos uma comparação com o primeiro show ocorrido em 2015. Destacamos como evolução a forma como nos enxergamos no palco, como podemos nos posicionar nele, o que não fazer ou fazer. Para o público isso parece ser algo natural, mas precisa ser pensando e discutido. Ainda temos pontos a melhorar”.

Sinceramente, penso que agora estamos mais próximos do fim do mundo do que estávamos em 2012, porém, espero estar enganada porque ainda quero ver o Ballet Clandestino celebrar muitas décadas de existência. Há indícios de que a banda seguirá firme em sua triunfante jornada. O retorno aos palcos é um tanto recente e, assim como inúmeros músicos ao redor do globo, eles foram afetados pela pandemia, embora tenham aproveitado o período para compor novas músicas. Há planos ambiciosos que envolvem shows internacionais pela frente: “Temos planos de lançar um próximo trabalho para o próximo ano e uma custosa mas não inacessível turnê fora do país”, revelou Natan.


Vida longa ao Ballet Clandestino.

 





terça-feira, 17 de maio de 2022

POLÍTICA, LIVROS, PUNK ROCK E MUITO MAIS: CONVERSAMOS COM JACK GRISHAM, VOCALISTA DO T.S.O.L


 Por Juliana Vannucchi

O lendário vocalista do T.S.O.L bateu um papo com o Fanzine Brasil. Num tom descontraído, conversamos e refletimos sobre assuntos bem variados. Jack nos contou sobre seu passado, sobre como entende o punk rock, sobre os problemas políticos que tangem o mundo atual e também sobre outras coisas incríveis que você pode conferir abaixo!

1. Seja muito bem-vindo ao Fanzine Brasil, Jack. Fico feliz em ter você aqui. Inicialmente, gostaria de saber quando você veio ao Brasil pela última vez e como foi a experiência. Você tem muitos fãs aqui…

Bem, em primeiro lugar, obrigado. Não tenho certeza de quanto tempo faz desde que estive aí pela última vez, mas eu amei seu país. As pessoas foram muito gentis, e mesmo enquanto lidavam com questões importantes de suas vidas, elas expressavam um ritmo lindo de viver, que era quase como uma dança do soul através de seus problemas – muito mais desinibidos do que os americanos, um povo que de vez em quando pode ser durão pra caralho.

2. Jack, você está ciente da atual situação política do Brasil? Nós temos um presidente fascista e intolerante. Gostaria de saber sua opinião a respeito desse contexto político do país. É sempre valioso saber o que pessoas como você tem a dizer... 

Eu acho importante não ficar de fora dessas questões e dar minha opinião sobre o que não estou vivenciando. Eu mal sou qualificado para ser um músico. Acho tentador simplificar questões de ordem política, um cara legal de banda tentando ganhar o apoio do povo, mas as coisas nunca são tão fáceis. Eu tenho minhas crenças sobre como as pessoas devem ser tratadas e penso que um governo deve servir e não dominar, pelo que li – os responsáveis no Brasil podem ter essa equação ao contrário.

3.  Por que você acha que o fascismo está aumentando, tanto na Europa, quanto no resto do mundo?

É confortável ter alguém para culpar por seus problemas – ter uma desculpa para suas idiotices. É mais difícil olhar no espelho, para cada país confrontar seus próprios pecados do passado e buscar o envolvimento de todas as pessoas para um bem comum. A culpa faz maravilhas para um ego esmagado. Um líder forte é uma muleta para uma nação fraca. Podemos falar sobre doces surf e diversão agora?


4. Além das questões políticas, há caos e tensão em todos os lugares. Como você acha que será o mundo pós-pandêmico?

Bem, pode ser um caminho para a iluminação, como uma árvore podada antes de ser restaurada a uma glória ainda melhor do que antes. Podemos perceber o quão intimamente estamos conectados. Podemos nos conscientizar de que a dor do meu irmão ou irmã é a dor que eu mesmo sinto.

 

"Eu sempre penso que, talvez, quando alguém gosta do que eu fiz, nós compartilhamos algo por dentro (...)"


5. Você pode nos contar um pouquinho sobre os livros que escreveu? Pergunto isso porque, infelizmente, eles não foram traduzidos para a língua portuguesa. (bem, ao menos, não ainda).

Eu sou um autor inexperiente que está aprendendo a escrever sob o brilho das luzes. Eu acho que não mereço alguns dos elogios que recebi em relação ao meu trabalho. Meu primeiro livro foi o "An American Demon", uma viagem depravada em minha juventude - honesta demais para ser uma autobiografia. O livro seguinte foi uma coleção de contos chamada Untamed. No período desta produção, eu tinha passado por um rompimento, então o trabalho é sombrio e raivoso, e é uma ferida aberta. Depois, escrevi um livro para quem se encontra em recuperação do vício em drogas e álcool - chama-se A Principle Of Recovery e é sobre a minha jornada através de 12 passos. Estou livre desses vícios desde 8 de janeiro de 1989. Atualmente estou trabalhando em um romance policial chamado The Pulse Of The World.

6. O que a música traz para nossas vidas? E que tipo de efeito você espera que suas músicas cause nas pessoas que as consomem?  

Não tenho certeza, mas acho legal quando você cria algo, e isso gera um sentimento em outra pessoa – talvez podendo até atingir alguém de uma parte diferente do mundo. Eu sempre penso que, talvez, quando alguém gosta do que eu fiz, nós compartilhamos algo por dentro, e por causa disso podemos nos tornar amigos.

 

"O punk rock que conheci na minha juventude está morto há anos".
 

7. Qual foi o maior desafio da sua carreira musical?

Não conseguir cantar. Havia uma versão rock do T.S.O.L – uma banda completamente diferente usando nosso nome, e o cantor parecia muito com Jim Morrison. Eu pareço o “Jack”, e o Jack não consegue necessariamente segurar uma nota.
   
8. A frase "punk's not dead" é muito famosa. Mas, afinal, o punk continua vivo atualmente? Você ainda vê o velho espírito punk nos dias de hoje?

Não tenho certeza; as coisas, é claro, são diferentes. O punk rock que conheci na minha juventude está morto há anos. Você não pode simplesmente se vestir de uma certa forma, tocar acordes fortes, se rebelar contra a autoridade e chamar isso de “punk”. Os inconformistas se conformaram com um olhar de inconformismo – isso é punk? Acho que ser “punk” é uma atitude além da música e da moda – é uma vontade de defender suas crenças, desafiar o pensamento do status quo, ficar aberto a ideias conhecidas e viver.

9. Tem algum álbum em particular do T.S.O.L. que seja o seu favorito?

Meu favorito tem que ser o Trigger Complex - nosso último trabalho completo, mas para mim - alguém que não ouve nossa banda, eu prefiro músicas - à noite no palco quando a multidão foi empurrada para a beira do caos, e eu posso sentir que mais um aumento de intensidade poderia levar à anarquia completa, eu olho para nosso baixista Roche e eu afasto ele –  faço meu sinal com a mão para ele entrar na música Fuck You Tough Guy, e a sala explode!      

10. Qual foi a coisa mais esquisita que você já viveu numa turnê feita com o T.S.O.L.? Pode ser alguma situação vivida em hotel, no palco, dentro de um ônibus, etc.

Quando terminamos um show e fomos direto para a cama – sem brigas, sem polícia, sem overdose, incêndios ou acidentes de carro – foi um milagre do caralho! No mínimo ultrajante!

11. Você é um ótimo fotógrafo. Você trabalha com fotografia ou é apenas um hobby?

É um passatempo. Eu gosto de pessoas — a alma em seus olhos. Eu faço retratos. Eu uso isso para conectar. Eu luto contra a ansiedade social, sou superficial e às vezes sinto que minha fala e meus modos são forçados. Quando estou atrás da câmera, tudo é mais fácil.

12.  Se você tivesse uma máquina do tempo e pudesse viajar para o passado, qual momento da sua vida você gostaria de viver novamente? E o que você mudaria?  

Nada. Nunca cometi nenhum erro porque a soma de minhas ações é que me trouxe aqui, num lugar no qual estou muito feliz. Mas se pudesse mudar alterar qualquer coisa, eu teria economizado minhas milhas de passageiro frequente e ter causado mais por aí.

13. No que você está trabalhando atualmente? Quais são os planos para o futuro?  

Atualmente estou terminando um filme sobre a minha experiência no TSOL. Se chama “Ignore Heroes” e estou sou responsável pela produção e também pela direção.


segunda-feira, 18 de abril de 2022

THE QUEEN OF PUNK

 Por Juliana Vannucchi

Jordan Mooney foi uma das mulheres mais revolucionárias do punk rock. Durante a juventude, não se interessava pelos padrões femininos vigentes e na época em que frequentava a escola, se espantava com a quantidade de meninas cujo objetivo central e definitivo de vida era simplesmente casar e ter filhos. Ela almeja mais: buscava rupturas e queria autonomia e liberdade. Mais tarde, encontrou tudo isso na Sex, icônica loja gerida por Vivianne Wostwood e Malcom McLaren, na qual ela trabalhou como modelo, ajudando a criar e consolidar a moda punk. “Nunca quis me encaixar”, disse ela. “Quando eu saí da escola primária, eu sabia que ia fazer algo diferente com a minha vida”. Na época, Mooney chocou a população londrina com sua aparência tão peculiar e exuberante. Segundo a modelo inglesa, as pessoas sempre tinham algum tipo de reação quando a viam pelas ruas e muitas ficavam enfurecidas ou até mesmo amedrontadas com a jovem, cuja ousadia causou um rebuliço na classe conservadora.

Além do universo fashion, vale mencionar que Jordan se dedicou ao cinema e também à música. Fora do meio artístico, teve uma vida reclusa e destacou-se especialmente por seus trabalhos veterinários - sempre amou os animais e fez muito por eles. 

Mooney faleceu no início de abril, aos 66 anos. Sejamos claros e sucintos aqui: devemos muito a ela. Há quem diga, afinal, que foi ela que inventou o punk rock!

Jordan Mooney: uma figura decisiva para a consolidação do punk rock



sábado, 16 de abril de 2022

10 PERGUNTAS PARA O BAIXISTA DO THE MISSION

 Por Juliana Vannucchi

Os fãs brasileiros estão ansiosos pelo retorno do The Mission ao Brasil . E é recíproco: Craig Adams nos contou que os membros da banda também estão! Confira esse papo incrível que tivemos com um dos maiores nomes da história do Post-punk e veja o que podemos esperar das apresentações do The Mission.

1. Craig, seja bem-vindo ao Fanzine Brasil. Está ansioso para vir ao país este ano? Quando foi a última vez em que você esteve aqui? Aliás, eu escutei uma história de que você levou um choque... isso é sério? 

Olá!

Sempre amei tocar no Brasil, é sempre empolgante pra mim. Nunca sabemos o que vai acontecer... como foi o caso daquela vez em que levei um choque quando estava no Rio de Janeiro. Meu baixo encostou numa barreira que havia ali, e o choque me jogou para o outro lado do palco. Desde então, passei a usar um sistema no meu baixo... sem fios com esse material elétrico neles.

2. Você gosta de música brasileira? Conhece bandas ou músicos daqui?

Preciso dizer que infelizmente não estou por dentro da cena musical brasileira. Eu moro nos Estados Unidos, e a rádio aqui é uma porcaria. Além disso, pelo fato de não ter saído durante cerca de dois anos ou até mais, não estou descobrindo muitas músicas novas ultimamente. Eu ouço a BBC, mas como o que toca é de língua inglesa e nunca toca música em nenhum outro idioma, é difícil de encontrar alguma outra coisa.

3. Craig, como você aprendeu a tocar baixo? Por acaso alguém da sua família é músico?

Originalmente sou pianista e desde os seis anos treinava num nível bastante alto.  Também estudei violoncelo [Que tem quatro cordas!! Talvez tenha começado nesse ponto?]. Toquei teclado em algumas das minhas primeiras bandas e até fiz algumas gravações com esse instrumento. Porém, foram o punk rock e heavy metal que realmente me fizeram tocar baixo. Eu adorava Motorhead, Hawkwind e especialmente o Lemmy e seu estilo de tocar. Eu acho que vi o Motorhead umas trinta vezes e, numa ocasião, me encarreguei de tomar conta da banda quando eles vieram fazer uma sessão de autógrafos na Virgin Records, uma loja em Leeds na qual trabalhei quando tinha dezesseis anos.

Meu pai cantava blues em pubs e clubs de Leed nos anos cinquenta e sessenta, até que eu nasci e minha mãe deu um basta nisso! Hahaha.

4. Tem algum álbum da discografia do The Mission que seja o seu favorito? E por acaso tem algum do qual você não gosta?

Não há nenhum em particular que seja o meu favorito ou que eu goste menos. Há dias em que eu que gosto de um determinado álbum, há dias em que não gosto. Alguns realmente não costumo ouvir, a não ser que adicionemos uma música deles para tocar ao vivo.

5. Como você descreve o “God's Own Medicine”?  Algumas pessoas costumam dizer que é um álbum “gótico”. Você concorda? O que essa palavra significa para você?

Foi nosso primeiro álbum. Ele foi e ainda é muito importante para nós. Acho que cabe a outras pessoas descrevê-lo, nós apenas fomos lá e fizemos de forma natural o que achávamos bom. A cena gótica é ótima, embora eu não ache que realmente tentamos ser algo para uma determinada cena. Usávamos preto e isso parecia legal, sem contar que não precisávamos lavar tanto essas roupas escuras porque não dava para ver a sujeira... hahaha. 

 

"Nos primeiros dias do The Sisters Of Mercy havia muito caos".

6.  Qual foi a coisa mais chocante que já aconteceu num tour do The Mission? Pode contar algo que aconteceu, por exemplo, num hotel, no palco ou em qualquer contexto.

Bom, isso seria revelador!!! Já se falou bastante de ‘incidentes’ de imprensa/mídia para manter a maioria das pessoas feliz, mas fico satisfeito por saber que alguns dos 'segredos incidentes nunca serão revelados!!!

7. Qual foi o show mais memorável que você já fez com o The Sisters Of Mercy? E qual é a melhor recordação dos tempos que você passou com o grupo?

Acho que tenho que dizer que foi o último no Royal Albert Hall, em Londres, mas nós fizemos muitos shows ótimos em pouco tempo. Na época era tudo novo e muito empolgante. Nos primeiros dias de banda havia muito caos e alguns desastres malucos, mas nós melhoramos, e então tudo simplesmente explodiu!

8. Quando o The Sisters Of Mercy estava gravando o clássico First And Last And Always, você imaginava que o álbum seria tão aclamado?


Na verdade, não. Nós gravamos a maior parte do álbum num estúdio localizado em Stockport, perto de Manchester. Fiquei hospedado num hotel simples do tipo bed and breakfast, pois não tinha dinheiro e, como sempre, tudo foi um pouco caótico. Sabíamos que o álbum era bom, mas ele não recebeu críticas muito favoráveis na época. Vejo esse álbum como uma espécie de gravador lento que as pessoas, aos poucos, começaram a gostar, e agora ele é o que é.

9. Os fãs brasileiros estão muito ansiosos com a vinda da banda. O que podemos esperar dos shows do The Mission este ano?

Bom, estamos com o nosso novo baterista, o Alex, dos EUA. Ele estava tocando em uma banda de abertura, chamada Feather Trade, quando eu estava tocando na minha outra banda, a Spear Of Destiny, faz alguns anos. Dessa forma, há um frescor na banda que talvez estivesse faltando nos últimos tempos... Tem sangue novo!! Mas estamos todos muito animados para sair pelo mundo novamente [como é todo mundo].

10. Se você tivesse uma máquina do tempo e pudesse viajar para o passado, que momento da sua vida você gostaria de reviver? Você alteraria algo em seu passado?

Eu realmente deveria ter mantido meu treinamento formal de piano, já que agora isso faz falta, embora eu fosse adolescente e odiasse isso. Eu ainda consigo tocar um pouco, mas como não pratico, acaba surgindo um atraso na hora de fazer a leitura e reproduzir algo.
Fora isso, tudo foi muito bom.


domingo, 27 de março de 2022

ELA TEM UMA VOZ DIVINA

 Por Juliana Vannucchi

Elisabeth Fraser nasceu em Grangemouth, na Escócia, cidade que já descreveu como “industrial, escura e sufocante”. Ela era a caçula de seis irmãos e seu pai era fabricante de ferramentas. O talento musical se manifestou cedo, sendo que ela tinha duas tias com habilidades vocais. Porém, certamente ninguém – nem a própria Fraser– imaginava que ela fosse chegar tão longe e fascinar o mundo com sua peculiar voz angelical. Na adolescência, gostava de escutar bandas como Sex Pistols e Siouxsie & The Banshees.

Liz se juntou ao Cocteau Twins quando tinha 17 anos, depois que Robin Guthrie, cofundador da banda, observou-a dançando numa boate. Assim, acabou se tornando o grande nome da banda - segundo um relato seu de 1983, o que a impediu de seguir o sonho de ser garçonete. Elisabeth Fraser sempre se destacou especialmente por sua voz etérea e suas letras enigmáticas e abstratas que, na maior parte das vezes, foram compostas numa linguagem inventada por ela. Esse instigante aspecto lírico gera muito debate e especulação, mas Fraser já declarou que ouvintes devem se ater às melodias e vivenciar uma experiência subjetiva com elas, ao invés de tentar interpretar suas frases. Ademais, para ela, nunca foi estranho escrever numa língua inventada e a vocalista garante que isso sempre aconteceu de maneira espontânea. No site oficial da banda, encontramos uma declaração a esse respeito: ““Eu ganhei muito [inventando a linguagem]. Eu não esperava que fosse uma experiência tão gratificante, no início foi uma tática de evasão. Mais que isso. Mas devo ter me dado permissão ao longo do caminho para realmente ir em frente e não me preocupar com a opinião das pessoas”.

Em relação ao seu processo criativo, uma matéria do jornal britânico The Guardian descreveu o seguinte: “Ela compõe (...) começando com frases ou melodias únicas, gravando-as e passando-as para outra pessoa para adicionar mais camadas, seja o baixista ou o tecladista, antes de trabalhar mais nelas, como um pintor voltando constantemente para uma tela. O processo em si é o que importa, a coisa criativa, ela diz a si mesma, e se as músicas algum dia vão ser lançadas no mundo não é essencial, embora, logicamente, ela queira que as pessoas as ouçam. Apesar de sua fama e reconhecimento global, sempre foi uma pessoa reclusa, tímida e discreta, buscando se manter longe dos holofotes e evitando entrevistas. 

Além do sucesso com o Cocteu Twins, gravou com outras bandas bem sucedidas e inspirou grandes nomes da música, como Prince, Madonna e outros

Fraser e Guthrie começaram um romance em 1981 e, em 1989, o casal teve uma filha chamada Lucy-Belle Guthrie. O casal se separou em 1994, sendo que um dos motivos para a ruptura foi o abuso do álcool e da droga por parte de Robin. Nos anos noventa, Fraser se aproximou de Jeff Buckley, que morreu precocemente. O divórcio e o falecimento do amigo acarretaram problemas emocionais e, nessa mesma década, mais precisamente em 1997, a banda acabou. Ainda nesse ano, começou um relacionamento com Damon Reece, com quem se mudou para Bristol e, em 1998, tornou-se mãe pela segunda vez, dando à luz Lily Reece.

Há alguns anos, Fraser começou a estudar escrita criativa e poesia. Continua levando uma vida discreta ao lado do marido. Além do sucesso com o Cocteu Twins, gravou com outras bandas bem sucedidas e inspirou grandes nomes da música, como Prince, Madonna e Michael Jackson, além de também ter David Lynch como fã declarado. 

Referências:

https://www.theguardian.com/music/2012/jun/24/elizabeth-fraser-meltdown-cocteau-twins

https://www.theguardian.com/music/2009/nov/26/cocteau-twins-elizabeth-fraser-interview

https://cocteautwins.com/elizabeth-fraser.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Elizabeth_Fraser

TwitterFacebookRSS FeedEmail