Fanzine Brasil

SIOUXSIE SIOUX - SOPROS DE VIDA

Grandes homens, assim como grandes tempos são um material explosivo interior do qual uma força imensa é acumulada (....)

“DISCO DA BANANA”- A OBRA PRIMA IGNORADA

Eu sabia que a música que fazíamos não podia ser ignorada

SEX PISTOLS - UM FENÔMENO SOCIAL

Os Sex Pistols foram uma das bandas de Rock mais influentes da história.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

AFINAL, COMO SURGIU O CINEMA?

Um breve questionamento e historio sobre o assunto.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

WOLF CITY - AMON DUUL II

Wolf City é um dos maiores clássicos do Rock Progressivo. É um álbum que celebra magicamente este gênero musical, e que é foi gravado por artistas imensamente talentosos

segunda-feira, 23 de maio de 2022

JOAN JETT: A RAINHA DO ROCK AND ROLL

     Por Juliana Vannucchi

Nascida em 1958, na cidade de Wynnewood, Joan Marie Larkin, artisticamente conhecida como Joan Jett, tornou-se uma das maiores lendas do Rock And Roll. 

Pertencente a uma família protestante, Jett era a mais velha de três irmãos e era filha de um vendedor de seguros e de uma secretária. Aos 13 anos, ganhou seu primeiro violão como presente de Natal e logo começou a fazer aulas. Porém, foi desencorajada por seu professor, que disse que mulheres não tocavam Rock And Roll. Com essa mesma idade, mudou-se para Los Angeles, cidade na qual recebeu muita influência do Glam Rock e onde encontrou a música como refúgio para a dor causada pelo divórcio de seus pais. Antes de seguir a carreira musical, Jett chegou a trabalhar num refeitório que, de acordo com ela, servia comida para algumas pessoas que eram muito desagradáveis. E certa vez chegou a confessar que se não tivesse sido cantora, gostaria de ter sido astronauta, arqueóloga ou atriz. Mas, para a nossa felicidade, o destino a levou aos trilhos do Rock And Roll. Aos 15 anos, Joan Jett formou a banda The Runaways, que enfrentou muito preconceito por ser composta apenas por mulheres. Segundo Jett, isso ocorreu principalmente pelo fato de, naquela época, as atividades do meio musical serem feitas, em sua maioria, por homens.  A cantora chegou até a declarar que seria certo atribuir as mesmas vagas às mulheres. Além de o grupo ter convivido com atitudes machistas, as integrantes eram constantemente encaradas como entretenimento sexual. A esse respeito, Jett chegou a declarar: “Com as Runaways, eu fiz questão de não enfatizar a sexualidade (...) Faça seu trabalho, toque sua música. “As pessoas vão pensar que isso é sexy”. Os preconceitos enfrentados foram muitos, pois naquela época o mundo simplesmente não estava pronto para encarar garotas portando instrumentos musicais em cima de um palco. Soava como algo vulgar, desafiador e inapropriado. 

 

(...) uma mulher livre e diferenciada, sempre em guerra com o conservadorismo machista que esteve presente no início de sua trajetória.
 

Há um fato muito curioso por trás do maior sucesso da carreira de Joan Jett: certa vez, ela sugeriu que o grupo gravasse uma versão cover da música "I Love Rock And Roll", originalmente gravada pela banda britânica Arrows. Contudo, as meninas do The Runnaways rejeitaram a ideia. Mais tarde, quando a banda rompeu e Jett iniciou sua carreira solo, ela gravou sem sucesso uma versão com Paul Cook e Steve Jones, dois integrantes do Sex Pistols. Em 1980, tentou lançar seu primeiro álbum solo, mas a produção foi recusada por mais de vinte gravadoras. Isso fez com que a ex-Runnaways criasse sua própria gravadora, chamada Blackheart Records – com isso, aliás, ela se tornou a primeira mulher a criar uma gravadora própria. Ainda em 1980, formou a banda “Joan Jett And The Blackhearts” e, em 1982, lançou a vigorosa e lendária versão da faixa do Arrows, que se tornou um clássico atemporal do Rock. 

Jett se tornou um mito. É uma das mulheres mais elogiáveis do meio musical e, desde os primeiros passos, teve uma carreira próspera, sendo uma mulher livre e diferenciada, sempre em guerra com o conservadorismo machista que esteve presente no início de sua trajetória. Símbolo de resistência, sobreviveu a muitos golpes e venceu preconceitos para se firmar na cena musical e, devido a todas essas lutas e a muita determinação, tornou-se um símbolo de inspiração para inúmeras mulheres. Certa vez, numa entrevista concedida ao The New York Times, foi questionada sobre ser feminista. Jett refletiu a esse respeito: “Não sei se me considero feminista. Esses rótulos realmente não parecem completos para mim. A definição de feminismo de cada pessoa é diferente. Se feminismo significa ser igual e ser capaz de fazer tudo o que você definir em sua mente, então sim. Isso não deve ser baseado em seu gênero”.  

Joan Jett se tornou vegetariana no início dos anos oitenta e hoje em dia se considera quase vegana. Já declarou que ama animais e disse à Rolling Stones que se ela se aposentasse do meio musical, gostaria de trabalhar em algum abrigo. Atualmente, em seu tempo livre, ela cozinha, surfa na praia, assiste à televisão, cuida de seus dois gatos e praticamente não ingere bebidas alcoólicas. 

Referências:

https://www.nme.com/features/music-interviews/joan-jett-interview-band-asks-thats-close-can-maybe-get-kurt-giving-thumbs-2393506

https://www.rollingstone.com/music/music-news/joan-jett-built-to-rock-128185/
https://en.wikipedia.org/wiki/Joan_Jett

https://www.nytimes.com/2018/09/27/movies/joan-jett-bad-reputation-documentary.html

https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2020/nov/14/joan-jett-interview-brush-with-the-law-got-arrested-on-tour

UMA DÉCADA DE HISTÓRIA E UM BRINDE AO BALLET CLANDESTINO

Por Juliana Vannucchi

Globalmente falando, 2012 foi um ano um tanto peculiar. Nessa época, reinavam teorias da conspiração sobre o fim do mundo. Contudo, enquanto alguns supersticiosos construíam bunkers e estocavam alimentos, um trio paulista de amigos, composto por Vinícius Primo (guitarra e voz), Natan (baixo e voz) e Cecília (bateria) se reunia, afinava seus instrumentos, escrevia suas letras e iniciava sua bem sucedida trajetória musical. A respeito dos primórdios, Primo comentou: “Nascemos timidamente e sem pretensão alguma sequer de fazer show. Na realidade, a banda surgiu como um projeto bem despretensioso e calcado na linguagem sonora das Mercenárias. E obviamente essa influência das Mercenárias persiste até hoje, pois é uma banda da qual gostamos demais”. Para alguns era o fim do mundo, para outros, o pontapé inicial de uma jornada musical admirável (e repleta de shows! Primo estava errado!!).

De lá para cá, a banda passou por uma mudança: em 2013, a baterista Cecília, que fez parte da formação inicial, deixou o grupo, e Rocero assumiu as baquetas: “Era um amigo meu e do Natan, que também compartilhava das mesmas influências e perspectivas musicais que a gente. Com ele na banda, o lance dos ensaios ficou mais contínuo, as músicas foram surgindo e a linguagem pós-punk se desenvolvendo. O novo membro da banda contribuía com ideias, riffs, letras, etc.”, recorda-se Vinícius. A partir de então, com uma sonoridade sombria que se inspira no punk rock setentista e no pós-punk, a banda reuniu uma discografia volumosa, composta por um total de 4 EPs, dos quais o primeiro foi lançado em 2015, e um splt ao vivo com a banda irmã Tempos de Morte. Todos, inclusive o split, foram lançados em de forma física em fita k7. Em 2019, houve outra mudança na bateria, e Rocero foi substituído por Tiofrey. Segundo Natan, “Com sua entrada observamos a introdução de uma pegada robusta nas músicas, apropriando-se da bateria de uma forma magistral e energética”.

 

"A evolução é constante. A cada show realizado e críticas apontadas, buscamos crescer".
 

Atualmente a banda figura entre os principais nomes nacionais do pós-punk. O mundo não acabou e agora, em 2022, o Ballet Clandestino está completando uma década de existência. A esse respeito, Vinícius refletiu: “Em 2022 chegamos aos dez anos, e para te falar a verdade, nem parece (risos). Acho que devido a esses dois últimos anos estarmos na pandemia. Então não ensaiamos com frequência, não teve nenhum show e tal.  Nosso último EP, Descompasso Cinza, saiu bem na pandemia, em julho de 2020, e com isso ainda sinto que não o divulgamos como deveríamos. Voltamos com os shows agora e ainda não pensamos em algo para marcar esses dez anos de existência”. Perguntei ao grupo como eles enxergam a trajetória acumulada ao longo de todo esse tempo de estrada. Natan refletiu: “A evolução é constante. A cada show realizado e críticas apontadas, buscamos crescer. Observamos que não somos os mesmos no palco se fizermos uma comparação com o primeiro show ocorrido em 2015. Destacamos como evolução a forma como nos enxergamos no palco, como podemos nos posicionar nele, o que não fazer ou fazer. Para o público isso parece ser algo natural, mas precisa ser pensando e discutido. Ainda temos pontos a melhorar”.

Sinceramente, penso que agora estamos mais próximos do fim do mundo do que estávamos em 2012, porém, espero estar enganada porque ainda quero ver o Ballet Clandestino celebrar muitas décadas de existência. Há indícios de que a banda seguirá firme em sua triunfante jornada. O retorno aos palcos é um tanto recente e, assim como inúmeros músicos ao redor do globo, eles foram afetados pela pandemia, embora tenham aproveitado o período para compor novas músicas. Há planos ambiciosos que envolvem shows internacionais pela frente: “Temos planos de lançar um próximo trabalho para o próximo ano e uma custosa mas não inacessível turnê fora do país”, revelou Natan.


Vida longa ao Ballet Clandestino.

 





terça-feira, 17 de maio de 2022

POLÍTICA, LIVROS, PUNK ROCK E MUITO MAIS: CONVERSAMOS COM JACK GRISHAM, VOCALISTA DO T.S.O.L


 Por Juliana Vannucchi

O lendário vocalista do T.S.O.L bateu um papo com o Fanzine Brasil. Num tom descontraído, conversamos e refletimos sobre assuntos bem variados. Jack nos contou sobre seu passado, sobre como entende o punk rock, sobre os problemas políticos que tangem o mundo atual e também sobre outras coisas incríveis que você pode conferir abaixo!

1. Seja muito bem-vindo ao Fanzine Brasil, Jack. Fico feliz em ter você aqui. Inicialmente, gostaria de saber quando você veio ao Brasil pela última vez e como foi a experiência. Você tem muitos fãs aqui…

Bem, em primeiro lugar, obrigado. Não tenho certeza de quanto tempo faz desde que estive aí pela última vez, mas eu amei seu país. As pessoas foram muito gentis, e mesmo enquanto lidavam com questões importantes de suas vidas, elas expressavam um ritmo lindo de viver, que era quase como uma dança do soul através de seus problemas – muito mais desinibidos do que os americanos, um povo que de vez em quando pode ser durão pra caralho.

2. Jack, você está ciente da atual situação política do Brasil? Nós temos um presidente fascista e intolerante. Gostaria de saber sua opinião a respeito desse contexto político do país. É sempre valioso saber o que pessoas como você tem a dizer... 

Eu acho importante não ficar de fora dessas questões e dar minha opinião sobre o que não estou vivenciando. Eu mal sou qualificado para ser um músico. Acho tentador simplificar questões de ordem política, um cara legal de banda tentando ganhar o apoio do povo, mas as coisas nunca são tão fáceis. Eu tenho minhas crenças sobre como as pessoas devem ser tratadas e penso que um governo deve servir e não dominar, pelo que li – os responsáveis no Brasil podem ter essa equação ao contrário.

3.  Por que você acha que o fascismo está aumentando, tanto na Europa, quanto no resto do mundo?

É confortável ter alguém para culpar por seus problemas – ter uma desculpa para suas idiotices. É mais difícil olhar no espelho, para cada país confrontar seus próprios pecados do passado e buscar o envolvimento de todas as pessoas para um bem comum. A culpa faz maravilhas para um ego esmagado. Um líder forte é uma muleta para uma nação fraca. Podemos falar sobre doces surf e diversão agora?


4. Além das questões políticas, há caos e tensão em todos os lugares. Como você acha que será o mundo pós-pandêmico?

Bem, pode ser um caminho para a iluminação, como uma árvore podada antes de ser restaurada a uma glória ainda melhor do que antes. Podemos perceber o quão intimamente estamos conectados. Podemos nos conscientizar de que a dor do meu irmão ou irmã é a dor que eu mesmo sinto.

 

"Eu sempre penso que, talvez, quando alguém gosta do que eu fiz, nós compartilhamos algo por dentro (...)"


5. Você pode nos contar um pouquinho sobre os livros que escreveu? Pergunto isso porque, infelizmente, eles não foram traduzidos para a língua portuguesa. (bem, ao menos, não ainda).

Eu sou um autor inexperiente que está aprendendo a escrever sob o brilho das luzes. Eu acho que não mereço alguns dos elogios que recebi em relação ao meu trabalho. Meu primeiro livro foi o "An American Demon", uma viagem depravada em minha juventude - honesta demais para ser uma autobiografia. O livro seguinte foi uma coleção de contos chamada Untamed. No período desta produção, eu tinha passado por um rompimento, então o trabalho é sombrio e raivoso, e é uma ferida aberta. Depois, escrevi um livro para quem se encontra em recuperação do vício em drogas e álcool - chama-se A Principle Of Recovery e é sobre a minha jornada através de 12 passos. Estou livre desses vícios desde 8 de janeiro de 1989. Atualmente estou trabalhando em um romance policial chamado The Pulse Of The World.

6. O que a música traz para nossas vidas? E que tipo de efeito você espera que suas músicas cause nas pessoas que as consomem?  

Não tenho certeza, mas acho legal quando você cria algo, e isso gera um sentimento em outra pessoa – talvez podendo até atingir alguém de uma parte diferente do mundo. Eu sempre penso que, talvez, quando alguém gosta do que eu fiz, nós compartilhamos algo por dentro, e por causa disso podemos nos tornar amigos.

 

"O punk rock que conheci na minha juventude está morto há anos".
 

7. Qual foi o maior desafio da sua carreira musical?

Não conseguir cantar. Havia uma versão rock do T.S.O.L – uma banda completamente diferente usando nosso nome, e o cantor parecia muito com Jim Morrison. Eu pareço o “Jack”, e o Jack não consegue necessariamente segurar uma nota.
   
8. A frase "punk's not dead" é muito famosa. Mas, afinal, o punk continua vivo atualmente? Você ainda vê o velho espírito punk nos dias de hoje?

Não tenho certeza; as coisas, é claro, são diferentes. O punk rock que conheci na minha juventude está morto há anos. Você não pode simplesmente se vestir de uma certa forma, tocar acordes fortes, se rebelar contra a autoridade e chamar isso de “punk”. Os inconformistas se conformaram com um olhar de inconformismo – isso é punk? Acho que ser “punk” é uma atitude além da música e da moda – é uma vontade de defender suas crenças, desafiar o pensamento do status quo, ficar aberto a ideias conhecidas e viver.

9. Tem algum álbum em particular do T.S.O.L. que seja o seu favorito?

Meu favorito tem que ser o Trigger Complex - nosso último trabalho completo, mas para mim - alguém que não ouve nossa banda, eu prefiro músicas - à noite no palco quando a multidão foi empurrada para a beira do caos, e eu posso sentir que mais um aumento de intensidade poderia levar à anarquia completa, eu olho para nosso baixista Roche e eu afasto ele –  faço meu sinal com a mão para ele entrar na música Fuck You Tough Guy, e a sala explode!      

10. Qual foi a coisa mais esquisita que você já viveu numa turnê feita com o T.S.O.L.? Pode ser alguma situação vivida em hotel, no palco, dentro de um ônibus, etc.

Quando terminamos um show e fomos direto para a cama – sem brigas, sem polícia, sem overdose, incêndios ou acidentes de carro – foi um milagre do caralho! No mínimo ultrajante!

11. Você é um ótimo fotógrafo. Você trabalha com fotografia ou é apenas um hobby?

É um passatempo. Eu gosto de pessoas — a alma em seus olhos. Eu faço retratos. Eu uso isso para conectar. Eu luto contra a ansiedade social, sou superficial e às vezes sinto que minha fala e meus modos são forçados. Quando estou atrás da câmera, tudo é mais fácil.

12.  Se você tivesse uma máquina do tempo e pudesse viajar para o passado, qual momento da sua vida você gostaria de viver novamente? E o que você mudaria?  

Nada. Nunca cometi nenhum erro porque a soma de minhas ações é que me trouxe aqui, num lugar no qual estou muito feliz. Mas se pudesse mudar alterar qualquer coisa, eu teria economizado minhas milhas de passageiro frequente e ter causado mais por aí.

13. No que você está trabalhando atualmente? Quais são os planos para o futuro?  

Atualmente estou terminando um filme sobre a minha experiência no TSOL. Se chama “Ignore Heroes” e estou sou responsável pela produção e também pela direção.


segunda-feira, 18 de abril de 2022

THE QUEEN OF PUNK

 Por Juliana Vannucchi

Jordan Mooney foi uma das mulheres mais revolucionárias do punk rock. Durante a juventude, não se interessava pelos padrões femininos vigentes e na época em que frequentava a escola, se espantava com a quantidade de meninas cujo objetivo central e definitivo de vida era simplesmente casar e ter filhos. Ela almeja mais: buscava rupturas e queria autonomia e liberdade. Mais tarde, encontrou tudo isso na Sex, icônica loja gerida por Vivianne Wostwood e Malcom McLaren, na qual ela trabalhou como modelo, ajudando a criar e consolidar a moda punk. “Nunca quis me encaixar”, disse ela. “Quando eu saí da escola primária, eu sabia que ia fazer algo diferente com a minha vida”. Na época, Mooney chocou a população londrina com sua aparência tão peculiar e exuberante. Segundo a modelo inglesa, as pessoas sempre tinham algum tipo de reação quando a viam pelas ruas e muitas ficavam enfurecidas ou até mesmo amedrontadas com a jovem, cuja ousadia causou um rebuliço na classe conservadora.

Além do universo fashion, vale mencionar que Jordan se dedicou ao cinema e também à música. Fora do meio artístico, teve uma vida reclusa e destacou-se especialmente por seus trabalhos veterinários - sempre amou os animais e fez muito por eles. 

Mooney faleceu no início de abril, aos 66 anos. Sejamos claros e sucintos aqui: devemos muito a ela. Há quem diga, afinal, que foi ela que inventou o punk rock!

Jordan Mooney: uma figura decisiva para a consolidação do punk rock



sábado, 16 de abril de 2022

10 PERGUNTAS PARA O BAIXISTA DO THE MISSION

 Por Juliana Vannucchi

Os fãs brasileiros estão ansiosos pelo retorno do The Mission ao Brasil . E é recíproco: Craig Adams nos contou que os membros da banda também estão! Confira esse papo incrível que tivemos com um dos maiores nomes da história do Post-punk e veja o que podemos esperar das apresentações do The Mission.

1. Craig, seja bem-vindo ao Fanzine Brasil. Está ansioso para vir ao país este ano? Quando foi a última vez em que você esteve aqui? Aliás, eu escutei uma história de que você levou um choque... isso é sério? 

Olá!

Sempre amei tocar no Brasil, é sempre empolgante pra mim. Nunca sabemos o que vai acontecer... como foi o caso daquela vez em que levei um choque quando estava no Rio de Janeiro. Meu baixo encostou numa barreira que havia ali, e o choque me jogou para o outro lado do palco. Desde então, passei a usar um sistema no meu baixo... sem fios com esse material elétrico neles.

2. Você gosta de música brasileira? Conhece bandas ou músicos daqui?

Preciso dizer que infelizmente não estou por dentro da cena musical brasileira. Eu moro nos Estados Unidos, e a rádio aqui é uma porcaria. Além disso, pelo fato de não ter saído durante cerca de dois anos ou até mais, não estou descobrindo muitas músicas novas ultimamente. Eu ouço a BBC, mas como o que toca é de língua inglesa e nunca toca música em nenhum outro idioma, é difícil de encontrar alguma outra coisa.

3. Craig, como você aprendeu a tocar baixo? Por acaso alguém da sua família é músico?

Originalmente sou pianista e desde os seis anos treinava num nível bastante alto.  Também estudei violoncelo [Que tem quatro cordas!! Talvez tenha começado nesse ponto?]. Toquei teclado em algumas das minhas primeiras bandas e até fiz algumas gravações com esse instrumento. Porém, foram o punk rock e heavy metal que realmente me fizeram tocar baixo. Eu adorava Motorhead, Hawkwind e especialmente o Lemmy e seu estilo de tocar. Eu acho que vi o Motorhead umas trinta vezes e, numa ocasião, me encarreguei de tomar conta da banda quando eles vieram fazer uma sessão de autógrafos na Virgin Records, uma loja em Leeds na qual trabalhei quando tinha dezesseis anos.

Meu pai cantava blues em pubs e clubs de Leed nos anos cinquenta e sessenta, até que eu nasci e minha mãe deu um basta nisso! Hahaha.

4. Tem algum álbum da discografia do The Mission que seja o seu favorito? E por acaso tem algum do qual você não gosta?

Não há nenhum em particular que seja o meu favorito ou que eu goste menos. Há dias em que eu que gosto de um determinado álbum, há dias em que não gosto. Alguns realmente não costumo ouvir, a não ser que adicionemos uma música deles para tocar ao vivo.

5. Como você descreve o “God's Own Medicine”?  Algumas pessoas costumam dizer que é um álbum “gótico”. Você concorda? O que essa palavra significa para você?

Foi nosso primeiro álbum. Ele foi e ainda é muito importante para nós. Acho que cabe a outras pessoas descrevê-lo, nós apenas fomos lá e fizemos de forma natural o que achávamos bom. A cena gótica é ótima, embora eu não ache que realmente tentamos ser algo para uma determinada cena. Usávamos preto e isso parecia legal, sem contar que não precisávamos lavar tanto essas roupas escuras porque não dava para ver a sujeira... hahaha. 

 

"Nos primeiros dias do The Sisters Of Mercy havia muito caos".

6.  Qual foi a coisa mais chocante que já aconteceu num tour do The Mission? Pode contar algo que aconteceu, por exemplo, num hotel, no palco ou em qualquer contexto.

Bom, isso seria revelador!!! Já se falou bastante de ‘incidentes’ de imprensa/mídia para manter a maioria das pessoas feliz, mas fico satisfeito por saber que alguns dos 'segredos incidentes nunca serão revelados!!!

7. Qual foi o show mais memorável que você já fez com o The Sisters Of Mercy? E qual é a melhor recordação dos tempos que você passou com o grupo?

Acho que tenho que dizer que foi o último no Royal Albert Hall, em Londres, mas nós fizemos muitos shows ótimos em pouco tempo. Na época era tudo novo e muito empolgante. Nos primeiros dias de banda havia muito caos e alguns desastres malucos, mas nós melhoramos, e então tudo simplesmente explodiu!

8. Quando o The Sisters Of Mercy estava gravando o clássico First And Last And Always, você imaginava que o álbum seria tão aclamado?


Na verdade, não. Nós gravamos a maior parte do álbum num estúdio localizado em Stockport, perto de Manchester. Fiquei hospedado num hotel simples do tipo bed and breakfast, pois não tinha dinheiro e, como sempre, tudo foi um pouco caótico. Sabíamos que o álbum era bom, mas ele não recebeu críticas muito favoráveis na época. Vejo esse álbum como uma espécie de gravador lento que as pessoas, aos poucos, começaram a gostar, e agora ele é o que é.

9. Os fãs brasileiros estão muito ansiosos com a vinda da banda. O que podemos esperar dos shows do The Mission este ano?

Bom, estamos com o nosso novo baterista, o Alex, dos EUA. Ele estava tocando em uma banda de abertura, chamada Feather Trade, quando eu estava tocando na minha outra banda, a Spear Of Destiny, faz alguns anos. Dessa forma, há um frescor na banda que talvez estivesse faltando nos últimos tempos... Tem sangue novo!! Mas estamos todos muito animados para sair pelo mundo novamente [como é todo mundo].

10. Se você tivesse uma máquina do tempo e pudesse viajar para o passado, que momento da sua vida você gostaria de reviver? Você alteraria algo em seu passado?

Eu realmente deveria ter mantido meu treinamento formal de piano, já que agora isso faz falta, embora eu fosse adolescente e odiasse isso. Eu ainda consigo tocar um pouco, mas como não pratico, acaba surgindo um atraso na hora de fazer a leitura e reproduzir algo.
Fora isso, tudo foi muito bom.


domingo, 27 de março de 2022

ELA TEM UMA VOZ DIVINA

 Por Juliana Vannucchi

Elisabeth Fraser nasceu em Grangemouth, na Escócia, cidade que já descreveu como “industrial, escura e sufocante”. Ela era a caçula de seis irmãos e seu pai era fabricante de ferramentas. O talento musical se manifestou cedo, sendo que ela tinha duas tias com habilidades vocais. Porém, certamente ninguém – nem a própria Fraser– imaginava que ela fosse chegar tão longe e fascinar o mundo com sua peculiar voz angelical. Na adolescência, gostava de escutar bandas como Sex Pistols e Siouxsie & The Banshees.

Liz se juntou ao Cocteau Twins quando tinha 17 anos, depois que Robin Guthrie, cofundador da banda, observou-a dançando numa boate. Assim, acabou se tornando o grande nome da banda - segundo um relato seu de 1983, o que a impediu de seguir o sonho de ser garçonete. Elisabeth Fraser sempre se destacou especialmente por sua voz etérea e suas letras enigmáticas e abstratas que, na maior parte das vezes, foram compostas numa linguagem inventada por ela. Esse instigante aspecto lírico gera muito debate e especulação, mas Fraser já declarou que ouvintes devem se ater às melodias e vivenciar uma experiência subjetiva com elas, ao invés de tentar interpretar suas frases. Ademais, para ela, nunca foi estranho escrever numa língua inventada e a vocalista garante que isso sempre aconteceu de maneira espontânea. No site oficial da banda, encontramos uma declaração a esse respeito: ““Eu ganhei muito [inventando a linguagem]. Eu não esperava que fosse uma experiência tão gratificante, no início foi uma tática de evasão. Mais que isso. Mas devo ter me dado permissão ao longo do caminho para realmente ir em frente e não me preocupar com a opinião das pessoas”.

Em relação ao seu processo criativo, uma matéria do jornal britânico The Guardian descreveu o seguinte: “Ela compõe (...) começando com frases ou melodias únicas, gravando-as e passando-as para outra pessoa para adicionar mais camadas, seja o baixista ou o tecladista, antes de trabalhar mais nelas, como um pintor voltando constantemente para uma tela. O processo em si é o que importa, a coisa criativa, ela diz a si mesma, e se as músicas algum dia vão ser lançadas no mundo não é essencial, embora, logicamente, ela queira que as pessoas as ouçam. Apesar de sua fama e reconhecimento global, sempre foi uma pessoa reclusa, tímida e discreta, buscando se manter longe dos holofotes e evitando entrevistas. 

Além do sucesso com o Cocteu Twins, gravou com outras bandas bem sucedidas e inspirou grandes nomes da música, como Prince, Madonna e outros

Fraser e Guthrie começaram um romance em 1981 e, em 1989, o casal teve uma filha chamada Lucy-Belle Guthrie. O casal se separou em 1994, sendo que um dos motivos para a ruptura foi o abuso do álcool e da droga por parte de Robin. Nos anos noventa, Fraser se aproximou de Jeff Buckley, que morreu precocemente. O divórcio e o falecimento do amigo acarretaram problemas emocionais e, nessa mesma década, mais precisamente em 1997, a banda acabou. Ainda nesse ano, começou um relacionamento com Damon Reece, com quem se mudou para Bristol e, em 1998, tornou-se mãe pela segunda vez, dando à luz Lily Reece.

Há alguns anos, Fraser começou a estudar escrita criativa e poesia. Continua levando uma vida discreta ao lado do marido. Além do sucesso com o Cocteu Twins, gravou com outras bandas bem sucedidas e inspirou grandes nomes da música, como Prince, Madonna e Michael Jackson, além de também ter David Lynch como fã declarado. 

Referências:

https://www.theguardian.com/music/2012/jun/24/elizabeth-fraser-meltdown-cocteau-twins

https://www.theguardian.com/music/2009/nov/26/cocteau-twins-elizabeth-fraser-interview

https://cocteautwins.com/elizabeth-fraser.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Elizabeth_Fraser

ORGULHO NACIONAL: SHE IS DEAD SE FIRMA COMO UMA DAS MAIS CÉLEBRES BANDAS DE ROCK DO PAÍS

 Por Juliana Vannuchi

A banda curitibana She Is Dead, composta por Ricky Volpato (bateria), Mau Carlakoski (vocais e guitarra) e Kim Tonieto (baixo e vocais), iniciou sua caminhada em 2019, quando lançou o EP “Living In My Hate”, com influências do punk e do dirty rock, no qual, numa mescla de The Cramps e Dead Kennedys, vociferou com agressividade as mágoas provenientes de relações existenciais frustradas. Pouco tempo depois, quando tudo parecia engrenar, o grupo viu sua jornada ser interrompida pela avassaladora pandemia que tomou conta do mundo. Em 2021, quando a situação global começava a trilhar para uma retomada das atividades que estavam estagnadas, a banda lançou o álbum "Story Of Lies", que foi gravado no Estúdio Caverão, na capital paranaense, e produzido por Luiz Orta. Nessa nova produção, encontramos ritmos estimulantes e notamos que as composições do grupo se voltaram para perdas e desilusões cotidianas. O instrumental é especialmente conduzido por guitarras acentuadas que acompanham o vocal de Mau Carlakoski, por vezes doce, por vezes feroz, – é mais ou menos como se Thurston Moore estivesse tocando com Lou Reed. 

A She Is Dead é uma das bandas mais representativas do país
 
Os shows ao vivo já foram retomados e, em janeiro deste ano, os curitibanos foram para São Paulo e marcaram presença nos estúdios da 89 FM, concedendo entrevista e participando do programa Heavy Pero No Mucho, com apresentação de Thiago DJ. No mesmo mês, o trio curitibano também teve um single veiculado no aclamado programa Filhos da Pátria, da Kiss FM, apresentado por Clemente Nascimento. Agora, a banda vem trabalhando no quarto single do segundo álbum, intitulado First Day Of My Life, que deve ser lançado no primeiro semestre. E, afinal, o que podemos esperar em relação à nova produção? Ora, vamos esperar aquela habitual barulheira poética para corações despedaçados, que se tornou uma assinatura autêntica da banda.

Atualmente, She Is Dead é uma das bandas mais representativas do país. O trio curitibano, mesmo com pouco tempo de estrada, já ocupou seu espaço, consolidando-se em definitivo na cena do rock nacional, já que a banda simplesmente oferece tudo de bom que uma banda de rock tem a oferecer e colabora com o resgate da essência desse gênero em solo nacional. Aliás, enquanto o grupo estiver na ativa, o lamentoso clichê que diz que “o rock brasileiro está morto” simplesmente não fará sentido, pois, por enquanto, os garotos de Curitiba estão garantindo que ele permaneça vivo.




segunda-feira, 14 de março de 2022

UMA CONVERSA COM SIMON RAYMONDE, BAIXISTA DA BANDA COCTEAU TWINS


 Por Juliana Vannucchi

Apoio: Erica Iassuda

O Fanzine Brasil bateu um papo com Simon Raymonde, experiente compositor, lendário baixista da banda Cocteau Twins e músico colaborador do This Mortal Coil. Conversamos sobre a atual indústria musical, sobre sua gravadora independente, a Bella Union, sobre música brasileira e diversos outros assuntos. Confira, comente e compartilhe a entrevista! 

1. Simon, o mundo inteiro está passando por um momento sombrio e tenso. Como você está sobrevivendo e enfrentando essa realidade tão turbulenta?

É preciso encarar tudo isso. Enterrar a cabeça na areia não vai funcionar! Seja lá o que seja colocado diante de mim, eu procuro encarar e sair disso ainda mais forte. Acho que, como músico, você desenvolve naturalmente uma pele mais grossa para viver e agora estou mais velho e creio que isso facilita a minha sobrevivência diante de tudo isso. O que estamos vendo na Ucrânia é um povo incrível, com espírito de independência, de luta pelo futuro de seus filhos e que também simplesmente luta por sua própria liberdade. Isso é algo precioso e que merece valor. Sobreviveremos a essa fase, mas será necessário estarmos juntos.

2. Já esteve no Brasil alguma vez? Você conhece ou gosta de música brasileira? Há muitas bandas independentes boas aqui como "She Is Dead", "Gangue Morcego", "Dennis & o Cão da Meia-noite", "Madreperola", “Quântico Romance”. Essas são excelentes e há muitas outras que eu recomendo!

Sim, eu estive aí nos anos 90 com o Cocteau Twins para fazer dois shows e, na ocasião, conheci pessoas incríveis com as quais tenho amizade até hoje! De vez em quando, as pessoas me enviam nomes de algumas bandas e músicas, mas essas suas sugestões são excelentes e estou ansioso para conhecê-las!

3. Em que momento da sua vida você se reconheceu como artista? Você planejou seguir esse caminho?

Eu não ando por aí pensando “eu sou um artista” e acho que nunca fiz isso – ao menos espero que não tenha feito :), embora a música fosse a única coisa que eu sempre quis fazer, além de ter desejado jogar pelos Spurs! Desde o final dos anos 70, depois de ver The Clash e os Pistols, eu sabia que queria ser baixista e penso que, quando as coisas começam inevitavelmente a desmoronar, você pode ficar sem rumo, mas ter a alegria de poder tocar, escrever e especificamente colaborar com os outros, agora me fez ver o quanto sou sortudo.

4 – Tem algum álbum da discografia do CocteAu Twins que seja o seu favorito? E por acaso há algum do qual você não goste?

Quanto mais o tempo passa, mais as melhores memórias permanecem. Eu sei que nós sempre pensávamos que o Treasure era... bem... um trabalho que talvez pudéssemos ter feito melhor (haha), mas ouvindo o álbum de novo, quase 40 anos depois, percebo que ele tem um som bem estranho e acho que não existem muitas coisas que soem como ele. Esse sempre foi o sonho, não é? Ter seu próprio som! 

Eu amo todos os álbuns agora porque parece que cada um é como um pequeno "diário" de nossas vidas, pelo menos é assim para mim. Sonoramente, com certeza o Heaven Or Las Vegas e o Blue Bell Knoll foram um grande salto para nós em termos do que aprendemos como "produtores", mas todos os outros têm um charme!

5. Na época em que o Cocteau Twins estava gravando Treasure, você imaginava que o álbum seria tão aclamado? O que você sentiu durante a produção deste álbum? E por que algumas músicas são nomeadas com divindades mitológicas/religiosas?

Não, haha, não tínhamos ideia do que as pessoas pensariam e também nunca tivemos interesse nisso. :)Bom, na verdade, se alguém dissesse que não havia gostado, acho que não teríamos esquecido. Na época, nós nos sentimos bastante apressados no final da gravação e, como era nossa primeira vez produzindo um álbum juntos como um trio, havia, é claro, muitas incógnitas. Naquele período, sempre dizíamos à gravadora que tínhamos o álbum pronto para gravar, mas na verdade nós literalmente não tínhamos músicas escritas, demos, nenhum material, embora tivéssemos uma certa confiança juvenil (ou arrogância) que costumávamos usar a nosso favor. E todas as nossas gravações desse álbum foram espontâneas e na maior parte totalmente improvisadas, portanto, se tivéssemos tido um tempo de preparação, isso destruiria todo o sentido, de qualquer maneira.

Mas, claro, ouvindo o álbum agora, posso perceber muita incerteza e, conforme eu disse anteriormente, aquele era um relacionamento totalmente novo para nós, então acho que, de modo geral, fizemos um bom trabalho!

"Entre as pessoas, percebemos divisões não apenas físicas, no sentido de distanciamento, mas também politicamente, mentalmente e filosoficamente falando".


6. Como você descreve a lendária Elizabeth Fraser?

Bem, descrevo com todos os possíveis superlativos que você possa imaginar! A Elizabeth nunca gostou de elogios, mas não hesito em dizer que para mim ela é a melhor. Claro que existem outras artistas incríveis na história da música. E se estamos falando de vocalistas femininas, há várias, como Nina Simone, Mahalia Jackson, Aretha Franklin, Dusty Springfield, Kate Bush, PJ Harvey, Patti Smith e a lista continua, porém, eu não consigo pensar em uma vocalista que possa alterar minhas emoções de maneira tão profunda quanto ela consegue. Conhecendo a Elizabeth e sua história, e sabendo aonde ela vai quando canta, talvez não seja tão difícil de entender o que quero dizer. Mas sim, ela é absolutamente maravilhosa, um tipo verdadeiramente único.

7. Qual foi o show mais memorável que você já fez com o Cocteau Twins? E qual é a sua melhor lembrança do período em que tocou com a banda?

O show mais memorável talvez tenha sido um que fizemos na Suécia, provavelmente em 1984, num clube lotado na cidade de Orebro. Estávamos tocando quando, de repente, a Elizabeth simplesmente se virou, saiu do palco no meio da primeira música e nunca mais voltou!

As melhores lembranças são sempre de quando eu estava gravando os vocais da Elizabeth em LPs como o Milk and Kisses, e, enquanto agia de forma completamente tranquila e destemida em tais momentos, sentia-me perpetuamente abençoado, como se tivesse acabado de conversar com um ser supremo! Haha.

8. Como você descreve o álbum "Milk & Kisses" e como era a atmosfera da banda na época em que o gravou?

Surpreendentemente, a atmosfera era ótima. No geral, foi uma boa experiência e provavelmente um bom momento para me aposentar, mas talvez ouvindo agora, eu possa perceber que definitivamente há falhas. Em termos de mixagem, não acho que a produção é a melhor, porém, certamente não é um disco ruim! Fazendo uma retrospectiva, se você olhar muito para trás, pode começar a reescrever a história, então não costumo pensar muito no passado, a não ser quando faço entrevistas como esta! Porém, talvez, olhando para trás agora e pensando no propósito disso, eu diria que deve ser muito estranho para um casal que ficou junto por um longo período e depois se separou continuar trabalhando junto. Mas isso apenas mostra o quanto a música era importante para todos nós, não apenas por sermos um grupo, mas individualmente também e, talvez, tenha sido muito difícil nos afastar disso, pois era algo que todos nós amávamos profundamente.

 

"Nunca foi tão fácil como é agora, em 2022, ser criativo e livre para fazer suas próprias coisas, sem a necessidade de vínculos com corporações ou obrigações contratuais".


9. Quando o Cocteau Twins decidiu se separar, você tinha uma ideia clara do que queria fazer e de como iria seguir?

Não, absolutamente não. Porém, eu sou uma pessoa positiva e, por isso, não gosto de me debruçar sobre aspectos negativos por muito tempo. Então, levando em conta que naquela época tínhamos acabado de começar a gravadora Bella Union, eu me joguei de vez nessa empreitada e... bem, ainda estou fazendo isso vinte e cinco anos depois, portanto acho que deve ter sido uma ideia relativamente boa!

10. Como foi a experiência de participar do This Mortal Coil? Essa também é uma banda muito peculiar e única, da qual músicos muito talentosos – como você- participaram. 

De modo geral, foi uma boa experiência, embora bastante estranha. Se você olhar para as notas dos encartes e se atentar aos nomes dos músicos participantes do projeto, pode imaginar que se tratava de um monte de amigos reunidos dentro de um estúdio de gravação, só que infelizmente não era nada disso. Eu, que estive muito envolvido nos dois primeiros álbuns, estava frequentemente no estúdio, só que normalmente ficava lá apenas com o Ivo e com o Jon Fryer, embora nessas ocasiões eu tenha escrito alguns trechos musicais legais porque o Ivo, na verdade, não era um músico propriamente dito, então eu acho que ele estava apenas utilizando sua amizade com todos nós para que pudesse trazer ao mundo as canções que tinha em mente. Foi um projeto interessante e me sinto muito feliz por ter feito parte dele.

11. Vivemos um momento peculiar e esquisito em que nos encontramos em meio a  uma pandemia, crises econômicas e sociais etc. Como você acha que esse conjunto de situações afetará futuras produções e movimentos culturais? Como produtor musical, como você encara esse momento?

Já pudemos ver o impacto de tudo isso nos últimos dois anos. Entre as pessoas, percebemos divisões não apenas físicas, no sentido de distanciamento, mas também politicamente, mentalmente e filosoficamente falando. Essas divisões parecem estar mais amplas do que nunca e, logicamente, isso cria focos de oportunidades para os artistas criarem algo muito especial. Contudo, sinto que estamos muito longe de onde precisávamos estar como indústria e como nação aqui no Reino Unido e, claro, globalmente também. Parece que o desastre iminente está apenas a um simples piscar de olhos. 

Às vezes, sentimos que algo catastrófico precisa acontecer antes que uma verdadeira mudança revolucionária ocorra, porque eu tenho esperado por uma revolução profissional, cultural e política há muito tempo, e ela simplesmente nunca chega. Continuamos repetindo a história várias vezes e cometendo os mesmos erros também várias vezes. Felizmente, a música é a maior de todas as drogas e podemos nos perder nela e usá-la como um veículo de mudança. Esse é o meu mundo e eu acredito no seu poder.

12. Você acredita que é possível um artista ser livre e criativo mesmo fazendo parte da indústria da música?

Com certeza. Nunca foi tão fácil como é agora, em 2022, ser criativo e livre para fazer suas próprias coisas, sem a necessidade de vínculos com corporações ou obrigações contratuais. Atualmente, você, literalmente, pode fazer o que quiser e, se tiver paixão por isso e, claro, pouca ou muita sorte ao longo do caminho, poderá fazer exatamente o que quiser e, além disso, também ter sucesso!

13. Há alguma banda que você está ouvindo atualmente que todo mundo deveria estar ouvindo também?

Bandas novas? Eu amo Mango, Genn, Golden Dregs, Penelope Isles, Pom Poko, Sophie Jamieson, Rachel Aggs, Pillow Spiders, Blue Luminaire, Warmduscher, C Duncan, Laura Groves e várias outras...

 



domingo, 20 de fevereiro de 2022

11 PERGUNTAS PARA RAT SCABIES: CONVERSAMOS COM O BATERISTA DO THE DAMNED

 Por Juliana Vannucchi

O The Damned é uma da bandas mais queridas e aclamadas dos anos oitenta. Além de o grupo marcar presença nos primórdios do punk rock londrino e cravar o nome nessa cena cultural, muitos consideram que ele é o precursor do rock gótico, tanto pela sonoridade de alguns álbuns quanto pelo visual do vocalista Dave Vanian. Confira abaixo o bate-papo incrível que tivemos com Rat Scabies,  um dos fundadores da banda.

1. Por favor, conte-nos um pouco sobre sua carreira musical. Como você aprendeu a tocar bateria?

Aprendi a tocar sozinho depois de me apaixonar pela sonoridade do instrumento – uma vez eu ouvi alguém tocando no rádio, não sei quem era, e isso nem ao menos importava, mas o fato é que foi esse  som que me fisgou. Depois de alguns anos tocando em bandas locais e tentando encontrar músicos que compartilhassem a mesma energia e atitude que eu tinha, acabei conhecendo o Brian James e, depois disso, o Damned foi formado.

2. Há alguma música em particular que tenha sido gravada por outro artista e que você gostaria de ter composto?

Sim, White Christmas.

3. O que você busca na hora de comprar um novo kit de bateria? Você se atenta mais ao tipo de madeira ou se preocupa mais com a marca?

Eu sempre escolho um kit que tem uma boa reputação, é bem feito e parece legal. Existem muitas maneiras variadas de afinar um kit e também vários tipos diferentes de peles de bateria que a madeira da qual as conchas são feitas mal parece ter importância, mas decidir manter um kit é outra decisão, que eu tomo com base no som, jogabilidade e aparência..

4. Qual foi o show mais marcante que você já fez em toda sua trajetória?

Foi o The Amnesty International Festival Of Youth, no Milton Keynes Bowl, no dia 19 de junho de 1988, quando o Joey Ramone subiu no palco com o Damned para um bis e cantou a clássica Blitzkreig Bop com a gente. 

"Dave Vanian foi o gótico original, muito antes de existir uma subcultura gótica".

5. Qual é a melhor memória que você tem das gravações do álbum"Damned, Damned, Damned”?

Lembro de tomar cidra, comer kebab e me surpreender com um som tão grande de um espaço tão pequeno. Além disso, me recordo que sempre havia vários palitos de pirulito colados nos faders da mesa de mixagem.

6. Tem algum álbum do The Damned que seja o seu favorito?

Hmm, tem vezes em que eu odeio todos eles e momentos em que me pergunto por que não os escuto todos os dias.

7. Como você define o punk rock?

Eu não sei, mas se eu tivesse que dizer alguma coisa, diria que não se trata de roupas ou penteados, mas é a atitude que conta.

8. Como você descreve o "Phantasmagoria"? Muitas pessoas costumam dizer que esse álbum é um clássico gótico. Como era a atmosfera da banda no período dessa gravação?

Foi um período emocionante para a banda, nós usamos roupas engraçadas e penteados bonitinhos, mas nunca nos propusemos a mudar quem éramos apenas por causa da imagem. Além disso, Dave Vanian foi o gótico original, muito antes de existir uma subcultura gótica.

Rat Scabies: um dos maiores mitos do post-punk

9. Qual é a história por trás da faixa "Is It a Dream?”

A música foi escrita em memória do falecido pai de Roman Jugg. O Roman sempre expressou seus sentimentos através de sua música e esta foi a mais sincera que ele já fez.

10. Qual foi o estúdio mais estranho em que você já esteve?

Provavelmente o Wessex Studios em Londres, que era uma antiga igreja com um fantasma nas vigas e a gravação do The Clash ao lado.

11. Você está trabalhando em algum material no momento? Planos para o futuro?

Estou trabalhando no segundo álbum do Sinclair (que não tem título ainda) e também num álbum com One Thousand Motels, que será lançado em breve. Além disso, acabei de conversar com o Professor And The Madman sobre gravar mais algumas músicas com eles, junto com outro Spammed disco (uma banda beneficente formada com o Horace do Specials) e, claro, há também os shows do Damned em outubro. Nos meus dias de folga continuarei minha busca pelo Santo Graal.

TwitterFacebookRSS FeedEmail