Fanzine Brasil

SIOUXSIE SIOUX - SOPROS DE VIDA

Grandes homens, assim como grandes tempos são um material explosivo interior do qual uma força imensa é acumulada (....)

“DISCO DA BANANA”- A OBRA PRIMA IGNORADA

Eu sabia que a música que fazíamos não podia ser ignorada

SEX PISTOLS - UM FENÔMENO SOCIAL

Os Sex Pistols foram uma das bandas de Rock mais influentes da história.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

AFINAL, COMO SURGIU O CINEMA?

Um breve questionamento e historio sobre o assunto.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

WOLF CITY - AMON DUUL II

Wolf City é um dos maiores clássicos do Rock Progressivo. É um álbum que celebra magicamente este gênero musical, e que é foi gravado por artistas imensamente talentosos

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

FUTURISMO E TECNOLOGIA NA MÚSICA DO KRAFTWERK

Diariamente, ao redor do mundo, o uso da tecnologia no cotidiano do ser humano aumenta de alguma forma, e a interação entre homem e máquina, consequentemente, torna-se cada vez mais estreita. Um dos inúmeros efeitos produzidos por esse fato, são as diversificadas reflexões de cunho ético que se desdobram a fim de investigar e propor os potenciais e rumos da relação entre a humanidade e a tecnologia. Nesse contexto, são levantadas perguntas de grande importância, como, por exemplo: “Existem limites no relacionamento entre um ser humano e um robô?”/”Quais tipos de Leis devem/podem ser criadas para o uso de inteligências artificiais?”/”Uma máquina pode se transformar numa ameaça social, econômica e psicológica?”, etc. Essas discussões caminham para vários lados e, naturalmente, divergem-se uma das outras e, conforme a presença da tecnologia se eleva, as reflexões a seu respeito, tendem apenas a aumentar. 
Quando prestamos mais atenção em novidades e informações sobre o assunto, podemos perceber que muitas coisas que nos pareciam inimagináveis, já fazem parte do contexto da vida de muitas pessoas. Na cidade de Dubai, por exemplo, há um robô policial (obviamente com certas limitações, embora tenha funções notavelmente úteis) que trabalha em determinados estabelecimentos públicos. Enquanto isso, em Cingapura, uma empresa chamada “nuTonomy” criou veículos autônomos, capazes de circular pelas ruas sem motoristas no volante. Na Nova Zelândia e em Santo André, já foram feitos testes para que drones entreguem pizzas. Talvez ainda mais incrível do que tudo isso, seja o fato de que, conforme o cientista Raymond Kurzweil relatou no documentário “Quanto Tempo o Tempo Tem?” que já existem até mesmo pâncreas computadorizados que são inseridos dentro do corpo humano para substituir o órgão natural.
 Vemos, por intermédio destes exemplos acima compartilhados, que a presença da tecnologia no mundo, é maior do que pensamos e, conforme citado no início deste texto, ainda há muito o que se pensar e discutir em relação a este assunto que possui incontáveis desdobramentos. Particularmente, quando me deparo com temas como “futurismo” e “tecnologia”, logo o Kraftwerk me vem à mente, afinal, tais tópicos consistem numa grande parcela dos assuntos musicais abordados na carreira da banda, tanto no que diz respeito ao aspecto instrumental, quanto nas letras e, de maneira geral, em toda a estética do grupo. A banda, em suas composições, não apenas expôs esses conteúdos, mas foi genialmente visionária ao apresentá-los numa época em eles eram encarados mais como ficção do que como realidade – parece, de certa forma, que o Kraftwerk “previu” o que estava por vir... E que outra banda fez isso de maneira tão qualificada e inovadora? Abaixo, compartilho com os leitores algumas reflexões que estabeleci a partir de um mergulho meditativo que fiz pela história da banda. Claro que há vários outros pontos a serem explorados e eu com certeza recomendo que leitor se aventure pelas zonas em que não passei. Enfim, vamos lá... 
Nos dias de hoje, sabemos que os relacionamentos amorosos através das telas de celulares, tablets e computadores é uma realidade. Existem namoros virtuais que geram namoros reais, em “carne e osso” e também há relacionamentos que são levados muito a sério e restringem-se ao universo da internet. Nesse âmbito, há uma música do Kraftwerk chamada “Computer Love”, cuja letra faz uma descrição desse tipo de romance. Vejamos um trecho: 

"Outra noite solitária
Olhando fixamente a tela da tv
Eu não sei o que fazer
Eu preciso de um encontro
Amor de computador
Amor de computador"

É curioso como nessas poucas palavras vistas acima, podemos perceber que a banda sintetizou muito bem a ideia de relacionamentos virtuais, algo que certamente não era tão esperado no início dos anos oitenta. A letra, de certa maneira, também expressa como esse tipo de relação pode ser fútil e vazia, afinal, ela parece surgir apenas para “tapar o buraco” de uma noite solitária e entediante – já alertava Bauman, que vivemos numa época de relações efêmeras... no tempo do “descarte”, dos relacionamentos de pouca duração... Tempos “líquidos”. Mas, é válido mencionar que as relações amorosas existentes através do universo virtual chegam a ser encaradas como algo quase “ingênuo” quando consideramos, por exemplo, que já há incontáveis relacionamentos entre seres humanos e robôs e inteligências artificiais. Exemplos não faltam: em 2017, um engenheiro japonês casou-se com uma mulher-robô, chamada Yingying que ele próprio criou e fez até mesmo uma cerimônia para comemorar a união. Ainda no Japão, um dos investimentos que rendeu comentários é o desenvolvimento de uma inteligência artificial chamada “Gatebox Virtual Girlfriend”, que é uma espécie de figura humana diminuta e holográfica, presa dentro um suporte e que possui capacidade de interagir com seus compradores através de áudio e programações, podendo, dessa forma, estabelecer um relacionamento com os mesmos. Há também o caso de uma jovem francesa chamada Lilly, que se denomina como sendo uma “robosexual orgulhosa” e que se apaixonou e assumiu um relacionamento com uma máquina chamada InMoovetor. Ela espera que, em breve, a França legalize o casamento entre robôs e seres humanos para poder, de uma vez por todas, oficializar sua união com o namorado. E já que mencionamos os robôs, também se faz relevante citar que o Kraftwerk, ao longo de sua trajetória, fez várias referências em relação a esse assunto. Entretanto, o que acho muito interessante, é que não fica claro – ao menos para mim – se a banda, em suas menções aos robôs, estava se referindo às máquinas ou ao próprio ser humano imerso num (lamentável) processo de mecanização física e intelectual. Leiamos abaixo um trecho da música “The Robots”, um dos maiores sucessos da banda:

"Nós estamos funcionando automático
E estamos dançando mecânico
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Ja tvoi sluga (=eu sou seu escravo)
Ja tvoi Rabotnik robotnik (=eu sou seu trabalhador)
Nós estamos programados para fazer
qualquer coisa que você quiser
Nós somos os robôs"

Honestamente, acredito que a letra acima expresse uma reflexão que, ao menos nos dias de hoje, faz mais sentido se considerarmos que não está se dirigindo literalmente aos robôs, mas sim apresentando uma descrição do próprio ser humano que, infelizmente, em vários aspectos, aliena-se cada vez mais e assim, gradualmente, faz cada vez menos questionamentos acerca do mundo, deixa de filtrar as informações recebidas e tende a não pensar de maneira autônoma. Vivemos num período no qual as massas se portam de uma forma similar, geralmente se comportando e “pensando” sempre “igual”: trata-se de um uma rebanho (conforme diria Nietzsche), composto por um gado lamentavelmente controlado por tradicionalismos e por instituições, e que vive acorrentado no fundo da caverna, moldando seu cotidiano através de padronizações que lhe são impostas e se quer questionadas e desconstruídas. O ser humano é um robô que é uma verdadeira “cria” das grandes instituições (Estado, Igreja e outras) e por isso, conforme a letra, esses seres terrivelmente mecanizados estão devidamente engrenados por seus “senhores”:  “programados para fazer qualquer coisa que você quiser, nós somos os robôs”. Acredito que era sobre isso que o Kraftwerk estava falando. Fizeram uma triste previsão do drástico rumo da maior parte da humanidade. 
Há ainda uma outra letra da banda que, embora seja muito curta, possui um conteúdo altamente significativo e que interpreto como sendo uma crítica ao estado de alienação social do homem perante a tecnologia. A música se chama “The Man-Machine”, cuja tradução significa “O Homem Máquina” e parece abordar a relação íntima – quase de fusão – existente entre o ser humano e as máquinas, cuja relação se tornou tão íntima e fundamental para a sobrevivência de certos indivíduos, que passamos a encontrar pessoas cujos comportamentos assemelham-se ao próprio funcionamento de máquinas (pessoas “programadas” e previsíveis – presas fáceis de serem controladas). E claro, não podemos nos esquecer do pior: assim como as máquinas não possuem capacidade de pensar, tais pessoas, também parecem perder essa condição. Analisemos essa letra em questão:

"Homem Máquina, semi ser humano
Homem Máquina, super ser humano
O Homem Máquina, máquina"

Outra faixa que apresenta uma letra muito notável é “Antenna”, na qual, aparentemente vemos um retrato de nosso mundo atual, no qual estamos constantemente captando e compartilhando informações cegamente, fato este que pode ser muito nocivo, caso não tenhamos competência suficiente para filtrá-las. É muito curioso como a letra dessa música apresentou com maestria a ideia da existência de um receptor e transmissor de informação, relação comunicativa amplamente debatida em nossos tempos. Leiamos: 

"Eu sou o transmissor
Eu dou informação
Você é a antena
Captando vibração!
Os transmissores enviam imagem, som e linguagem
Eletromagneticamente a todas as cidades
Eu sou a antena
Captando vibração
Você é o transmissor
Dê informação!
Nós somos transmissores e receptores"

Sim: muitos de nós são antenas ambulantes... parasitas estagnados e irreflexivos. Talvez, meros transmissores de informações que, por vezes, nem ao menos são verdadeiras (eis as tais das fake news) ou que são de extrema futilidade. Que papel, afinal,  estamos assumindo na “Era da Informação” ?
Há incontáveis outras músicas interessantes espalhadas na discografia do Kraftwerk, que são dignas de análise e que atuam como verdadeiras “portas de entrada” para a reflexão. São letras nas quais encontramos conteúdos profundos e de cunho crítico, que definitivamente são merecedores de atenção, especialmente num período como este em que vivemos, no qual somos constantemente bombardeados por informações diversificadas, e no qual estamos cercados de aparatos tecnológicos que conquistam espaços cada vez maiores em nossas vidas. Penso que a vasta obra-prima deixada por esta grandiosa banda alemã, merece ser explorada a fundo, pois ela carrega muitas ideias e temas que certamente fazem com que repensemos a respeito de nossa própria existência.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

COLETÂNEA "THE OTHER SIDE":

Por: Vannucchi e Marinho
 
Recentemente, o site Fanzine Brasil lançou sua primeira coletânea. Abaixo, você conhece os músicos e bandas lendários que colaboraram para que esta compilação inédita e sem paralelos  tivesse vida.

“THE OTHER SIDE” -  A COLETÂNEA:

“The Other Side” foi o título escolhido para a primeira coletânea oficial do site Fanzine Brasil. Essa escolha foi especialmente inspirada na obra “Metafísica do Belo”, do filósofo Arthur Schopenhauer. Para este notável pensador alemão, o artista, através de seus olhos cósmicos, comunica ao público as propriedades essenciais do mundo, ou, em outras palavras, releva o conteúdo verdadeiro e íntimo que existe por trás dos fenômenos (da “ilusão”) que condiciona o mundo racional. A música, com seu efeito “vigoroso, necessário, rápido e infalível”, é compreendida por Schopenhauer como sendo a arte suprema, por meio da qual as pessoas libertam-se de seus corriqueiros desejos, não se orientam mais pela razão, abandonam suas personalidades e, ainda que por breves instantes - enquanto durar a música - elas se livram da dor e do sofrimento que tangem o cotidiano deste mundo.

Esta linguagem universal tão majestosa, rompe definitivamente as barreiras do espaço e do tempo, que nos entorpecem neste “véu de Maya” e permite, assim, que o ouvinte e o próprio músico experimentem conteúdos que se encontram “do outro lado”. As músicas que cada um de vocês produz, tem essa capacidade ilustre. Todas elas juntas, certamente atingirão um potencial primoroso e convidarão o ouvinte para uma experiência única pelos desconhecidos caminhos do “outro lado”. 

A capa do álbum foi baseada num quadro da artista sorocabana Soraya Balera.

 White Canyon & The 5th Dimension:

A banda White Canyon & The 5th Dimension convida o ouvinte a entrar num cenário quase que espacial, mergulhado em guitarras cheias de reverberação e textura. A sonoridade oferece a típica simplicidade rústica presente nas músicas setentistas, que foi muito bem replicada por bandas de post-punk e shoegaze do final dos anos 80, nas quais cantam-se melodias fáceis, como em um mantra melancolíco, envolvidas em letras simples e parcialmente esotéricas. Tudo isso aliado a uma boa pitade de psicodelismo.

O projeto White Canyon & The 5th Dimension nasceu na cidade de São Thomé das Letras, Minas Gerais, e é encabeçado pelo casal Gabriela Zaith e Léo Gudan, que se responsabilizaram pela gravação e produção do primeiro albúm da banda, no qual podemos perceber uma ilustre misturar composta por um apanhado de influências musicais, tal como: garage-rock, alternative,experimental,psychadelic, prog, folk,trip-hop e outros.

A banda White Canyon & The 5th Dimension é definitivamente uma das grandes promessas musicais da cena alternativa brasileira, e certamente vai se firmar no cenário underground brasileiro.

The Other Creatures:

O The Other Creatures é o projeto musical dos editores do site Fanzine Brasil. Suas produções seguem especialmente a linha do gênero “Psycho-Punk Experimental”, que você certamente desconhece, já que esse termo por criado especialmente pelos próprios membros do The Other Creatures. De maneira geral, as músicas do duo abordam temáticas inspiradas em assuntos bem diversificados, como filosofia, física quântica, mitologia e espiritualidade e outros, e todos os álbuns lançados até o momento são temáticos, narrando histórias e apresentando narrativas e personagens muito singulares e surreais.


The Other Creatures: um projeto essencialmente inquietante e profundo.
 A Máquina Fantasma:

O projeto A Máquina Fantasma nasce da necessidade de colocar em melodia poemas que originalmente não tinham sido escritos e não tinham voz. Eram apenas nomes abstratos, descrições de sentimentos muito brutos sem nenhum tipo de refinamento.

Tudo começa no ano de 2015, quando Fabio Melo, com poucos conhecimentos técnicos e muita vontade de fazer alguma coisa diferente dos seus projetos de industrial, adentra no post-rock instrumental. Influenciado inicialmente por grandes nomes do gênero, como Explosions in the Sky, Mogway e Godspeed You! Black Emperor, mas também incorporando sonoridades ainda mais distantes, como dark jazz, música ambiente, heavy metal e outras.

A ideia é trazer sempre uma reflexão poética acerca da realidade e dos sentimentos mais íntimos dos seres humanos e sua relação com as subjetividades. Existe ainda espaço para a crítica social, mas ela abre um pouco de espaço para a melancolia do dia a dia e as tristezas da vida cotidiana.

Quântico Romance:


O Quântico Romance é um projeto de HomeComputer Music, essencialmente baseado em em estilos e sonoridades que transitam entre os Rock Pop 80´s, Synthpop, New/Retro/Synth/Dark Waves, Gótico Industrial e alternativos, cujo objetivo é criar, produzir e oferecer algo musicalmente diferente do que se escuta no mainstream da música brasileira. Conforme declarou Karlos Júnior, um dos integrantes do grupo: “A banda aborda ideias, temas e poesias pertinentes às vicissitudes daquilo que nos define e transborda na experiência humana”.

De maneira geral, o Quântico Romance oferece canções de temas como amor, dor, protesto, existencialismo, histórias, reflexões, alegria ou tristezas, valores, dentre outras abordagens.
A banda deu seus primeiros passos em abril de 2019 com o lançamento de seu primeiro EP, intitulado “Azul na Escuridão”, e planeja lançar um álbum completo em 2020, período para o qual também estão previstas apresentações ao vivo e uma eventual turnê.

Quântico Romance: Um espetáculo de ruídos atípicos e melodias autênticas.
Looming Flames:

O Looming Flames surgiu em 2011, arquitetado em gravações instrumentais feitas no estilo live-looping, explorando sonoridades feitas com uma guitarra, pedais de efeitos e de loop e um sampler Boss SP-202. As músicas, que são todas gravadas e produzidas por Marcelo Badari, vão se formando ao vivo, compostas de riffs, bases, ritmos e melodias… tudo adicionado camada por camada no pedal de loop. Algumas faixas são mais dançantes, enquanto outras apresentam atmosferas mais introspectivas, lembrando a sonoridade típica da ambient music.

Kalouv:

Kalouv é um grupo pernambucano de música instrumental, que foi formado em 2019. Sua base musical é pautada em gêneros como o Post-rock, o Rock Progressivo e outros correlatos. A banda já se apresentou em diferentes palcos do país, e acumula em seu currículo participações em importantes eventos, tal como o Abril pro Rock, Festival de Inverno de Garanhuns, Play the Movie (Coquetel Molotov) e Contemporâneos (Caixa Cultural). Além do sucesso em solo nacional, a banda também possui forte reputação no exterior: o Sky Swimmer, álbum de estreia, lançado em 2012, foi reconhecido como Record of the Week na rádio americana Fade to Yellow e recebeu uma resenha da revista inglesa Rock-a-Rolla. Além disso, algumas faixas da Kalouv entraram nas mixtapes Start Naming Names (Grécia) e 6forty Project (EUA).

Esta é uma das bandas alternativas mais interessantes do país, pois sua proposta conceitual é bastante peculiar, sendo pautada na paixão que seus integrantes nutrem por videogames, cinema e quadrinhos. As músicas do grupo Kalouv são pensadas como se fossem trilhas sonoras para tais universos.

Labirinto

A cada lançamento do Labirinto, sua música torna-se mais intensa e imponente confrontando o ouvinte com emoções que muitas vezes preferimos esquivar e que, por isso, têm, com frequência, sua beleza negligenciada. Não à toa, a banda figura hoje entre as maiores referências do post metal na América Latina.

Ao vivo, o som do grupo é grandioso; em meio a projeções de imagens compiladas sistematicamente, as músicas são tocadas de forma sequenciada, sem pausas, como se fossem parte uma de grande trilha sonora.

Ao longo de seus 14 anos de existência, a banda sempre foi muito bem avaliada pela mídia especializada, com reviews de seus discos e shows em sites/publicações de renome mundial - The Guardian, Rolling Stone, Globo, Metal Hammer - e teve três lançamentos destacados entre os melhores do ano pelo jornalista Fábio Massari. Na bagagem, o sexteto traz seis turnês internacionais entre Estados Unidos, Canadá e Europa, várias passagens por Sescs e Centro Culturais de todo país e participações em grandes festivais nacionais e internacionais, como Dunk!Festival (Bélgica), South By Southwest (EUA) e North by Northwest (Canadá), Overload Music Fest (Brasil), DoSol (Brasil) e Coquetel Molotov (Brasil).   

Em 8 de fevereiro de 2019, foi lançado (aqui pelo selo Dissenso Records e mundialmente pelo selo alemão Pelagic Records) o terceiro disco completo do Labirinto intitulado "Divino Afflante Spiritu". A banda apresentou o novo disco em cinco shows pelo Brasil este ano, e realizou mais uma turnê europeia.  

Labirinto: Uma banda épica e introspectiva.

We Are Pirates:

O We Are Pirates é uma banda de Colatina (Espírito Santo), que foi formada por três membros do antigo grupo Mickey Gang, após sua dissolução. As músicas do WAP passeiam entre influências diversas, especialmente do Indie e do Dreamy Hip Hop. Oficialmente, lançaram um total de dois EPs e três singles, sendo todos os materiais qualificados, compostos por melodias doces que são aprazivelmente complementadas por uma atmosfera onírica. É uma banda que possui bastante reconhecimento, especialmente fora do Brasil.

Escarlatina Obsessiva:

Com 13 anos de atividade, Escarlatina Obsessiva é um duo formado por Karolina Escarlatina e Zaf, que vive em total liberdade artística, isolado da realidade corrosiva das grandes metrópoles, na mítica cidade de São Thomé das Letras. Não obstante a inegável herança de David Bowie na sonoridade, a banda transita entre as mais diversas influências, desde o Punk e Pós-punk do final da década de 1970, que basicamente definem o som da banda até o Folk, o progressivo e o Jazz; e absorvendo além da música: referências cinematográficas de autores como Fellini, Jodorowski, Jean Cocteau e tantos outros. (por: Luiz Terra).

Escarlatina Obsessiva: uma lenda atemporal do universo dark.

Lühm:
Com melodias fantasmagóricas e timbres  infernais, o Lühm explora sonoridades irrequietas para transportar o ouvinte ao mais profundo martírio auditivo. Formado em MMXI por músicos de diversos projetos experimentais insalubres , o Lühm nunca repete o mesmo repertório em suas atormentadas e agonizantes apresentações. Essa é uma das bandas independentes mais originais e intrigantes do atual cenário musical.

Coletânea "The Other Side"
Página da artista Soraya Balera

domingo, 10 de novembro de 2019

A DESPEDIDA DA GANGUE MORCEGO:

Por: Juliana Vannucchi e Gabriel Marinho

Embora não se trate necessariamente de um fim, a banda Gangue Morcego está oficialmente encerrando as turnês devido ao distanciamento geográfico dos membros do grupo. Porém, os músicos continuarão a gravar e já estão, inclusive, trabalhando em novos materiais. A turnê de despedida começou no dia 1 de Novembro na capital carioca (onde surgiu a banda) com ingressos esgotados. Depois seguiram para a calorosa e acolhedora Sorocaba, uma cidade muito querida pelos membros da banda e, por fim, rumaram para a cidade de São Paulo, na qual finalmente encerraram suas passagens pelos palcos. Sem dúvidas, o Brasil sentirá uma falta enorme do som soturno e da aura misteriosa da Gangue Morcego.


Com mais de dez anos de estrada e com um único álbum lançado, o magnífico "Olhem Para As Ruas", a banda conseguiu criar uma das obras primas do Pós-punk moderno com uma mescla perfeita de Deathrock misturado com influências cinematográficas do expressionismo alemão e do cinema noir, que se encaixam perfeitamente no som tão característico do grupo. De fato, pouquíssimas bandas foram capazes de capturar a aura do cinema antigo e expressá-la de forma tão magistral quanto a Gangue Morcego.





domingo, 3 de novembro de 2019

ROGER DEAN: O CRIADOR DE ALGUMAS DAS MAIS ÍCONICAS CAPAS DE ÁLBUNS DO ROCK PROGRESSIVO:

Por: Vannucchi e Marinho

O artista britânico Roger Dean foi o designer responsável pela criação de algumas das mais incríveis capas de álbuns do Rock Progressivo. O ilustrador nasceu em 1944, em Ashford, na Inglaterra, estudou no Cantbury College of Art e se formou em design de móveis no Royal College Of Art. Em 1968, criou sua primeira capa para o “The Gun”, produção de estreia da (curta) carreira da banda Gun. Posteriormente, seu nome foi se tornando cada vez mais reconhecido por vários músicos, e ele passou a fazer capas para grandes bandas, tal como Yes, Uriah Heep, Asia e outras. Seu trabalho, é claro, continuou vigente mesmo após os anos 70 (período que marcou o ápice do Rock Progressivo).

Em suas ilustrações encontramos ambientes oníricos e criaturas fantásticas, que muitas vezes são preenchidos por cores psicodélicas. As produções surrealistas de Roger Dean são, por si só, verdadeiras obras de arte e muito provavelmente, se você é amante do Rock, já se encantou por uma (ou mais de uma) dessas belíssimas imagens hipnóticas. Confira abaixo dez capas de álbuns criadas por este lendário ilustrador.

Demons & Wizards (URIAH HEEEP) - 1972

Tales From Topographic Ocean  (YES) - 1973

Alpha  (ASIA) - 1983

Fragile (YES)  - 1971

The Magicans Birthday (URIAH HEEP) - 1972

Wakeman Howe (ANDERSON BROFORD) - 1989

Woyaya (OSIBISA) - 1971

Asia (ASIA) - 1982

Gun (THE GUN) - 1968

Sea Of Light (URIAH HEEP) - 1995





TwitterFacebookRSS FeedEmail