Fanzine Brasil

SIOUXSIE SIOUX - SOPROS DE VIDA

Grandes homens, assim como grandes tempos são um material explosivo interior do qual uma força imensa é acumulada (....)

“DISCO DA BANANA”- A OBRA PRIMA IGNORADA

Eu sabia que a música que fazíamos não podia ser ignorada

SEX PISTOLS - UM FENÔMENO SOCIAL

Os Sex Pistols foram uma das bandas de Rock mais influentes da história.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

AFINAL, COMO SURGIU O CINEMA?

Um breve questionamento e historio sobre o assunto.

ATÉ O FIM DO MUNDO

Com custos acima de mais dez milhões de dólares, é um filme encantador, artístico, típico das obras de Wim Wenders, realmente, é uma obra fascinante, mais uma certo do diretor alemão.

WOLF CITY - AMON DUUL II

Wolf City é um dos maiores clássicos do Rock Progressivo. É um álbum que celebra magicamente este gênero musical, e que é foi gravado por artistas imensamente talentosos

quinta-feira, 25 de abril de 2019

12 BANDAS NACIONAIS UNDERGROUNDS QUE VALE A PENA CONHECER:

Por: Vannucchi e Marinho


 Selecionamos doze bandas brasileiras que possuem raízes undergrounds e que fazem um trabalho musical digno de reconhecimento. Acreditamos no potencial de todas elas e estamos sempre de portas abertas para divulgá-las. Confira!

Escute algumas músicas dessas bandas em nossa playlist no YouTube: 




The Other Creatures:


O The Other Creatures é um projeto musical underground criado em 2017 por Juliana Vannucchi e Gabriel Marinho, os de editores e criadores deste blog. De acordo com o crítico musical Fábio Melo, do site Groundcast, é um "projeto novo e experimental que tem muitas influências musicais e filosóficas". Em relação ao "The Devil's Causeway", primeiro álbum lançado pelo The Other Creatures, o crítico, que gostou do trabalho, comentou que: "É um disco bem variado, musicalmente falando. Um princípio de Pós-Punk, com muitas dissonâncias, com muita influência do Indie Rock anos 90, do New-Folk e a voz do Gabriel é melancólica e lembra muito a de Scott Walker. É um grupo bastante estranho para escutar".


Firefriend:


Essa é uma banda explosiva e intensa, cujas músicas são parcialmente melancólicas e parcialmente psicodélicas. Sem dúvida é uma das grandes surpresas do cenário musical brasileiro que descobrimos em 2019 e uma das maiores promessas da cena underground brasileira. A banda tem um som que carrega influências diversas, como, por exemplo, Indie, Shoegaze e Punk Rock, e suas músicas são encantadoras, especialmente, parece-me, para almas solitárias e deslocadas. Vale a pena conhecê-los.
 
Escarlatina Obsessiva:


O duo de Minas Gerais esbanja brilhantismo e já se consolidou faz tempo como um dos mais populares e mais bem sucedidos nomes da história da cena underground brasileira. Recentemente lançaram o elogiável e ilustre álbum “Back To The Land”, que superou em qualidade e profissionalismo todos os trabalhos anteriores de sua discografia. Além disso, em 2019 já tocaram ao vivo, num show épico que realizaram na cidade de Sorocaba, localizada no interior de São Paulo. É válido citar também que os músicos da EO, Karolina e Zaf, são os idealizadores e produtores do maior evento musical underground da América Latina, chamado Woodgothic, que acontece esporadicamente em São Tomé das Letras - Minas Gerais.

We Are Pirates:

De acordo com Ricardo Vieira, as músicas do WAP foram "100% feitas em casa".
Eis aqui um projeto musical underground que é bastante conceituado. Foi criado na cidade de Colatina/ES, em meados de 2011, pelos músicos João Paulo Dalla, Bruno Moreira e Ricardo Vieira, ex-membros do grupo Mickey Gang. O EP "Kids Practice" é simplesmente genial, tão intrigante e profundo que se torna uma tarefa desafiadora encontrar as palavras corretas para descrever sua qualidade. O que posso dizer é que todas as faixas lançadas pelo WAP que, infelizmente não está mais na ativa, são excelentes, profundas e especiais. Destaque para "Running" e "Canyon", as músicas mais poéticas e extraordinárias que criaram. Basta escutá-las uma única vez para se deixar cativar pelo We Are Pirates...

 Looming Flames:

Um dos projetos musicais mais ambiciosos e originais do vasto universo underground brasileiro. Marcelo Badari é o célebre músico que está por trás do Looming Flames. Residente de Joanópolis,  é multi-instrumentista e cria canções experimentais de enorme elegância, trabalhando totalmente aos moldes do D.I.Y. Badari é uma espécie de "cientista musical" que faz inúmeras experiências em seu laboratório. Recentemente, Badari se juntou com nossa editora Juliana Vannucchi, ao lado de quem começou a dar os primeiros passos de um novo projeto musical sobre o qual, em breve, nossos leitores terão mais informações.

O Brasil tem inúmeras bandas undergrounds de qualidade. Listamos algumas delas.
1983:


Este é mais um grandioso e cativante projeto do inventivo músico Dennis Monteiro. É uma banda cuja atmosfera, de maneira geral, é niilista e sombria. Suas letras tratam principalmente de questões políticas e existenciais e o instrumental segue uma linha que se identifica tanto com aspectos do Punk Rock, quanto da Darkwave, rendendo-se mais a este último gênero. A banda faz shows com bastante frequência, especialmente em São Paulo. Em 2018 lançaram três materiais oficiais: dois EPs e um single. Conforme já citamos certa vez, Dennis Monteiro simplesmente não falha e dele podemos sempre esperar materiais caprichosos e de qualidade!

Gangue Morcego:

A espetacular banda Gangue Morcego lançou apenas um álbum de estúdio (em versão física e virtual), mas este único trabalho foi suficientemente bom para que cravassem sua marca na história da música underground de nosso país. Eles possuem uma aura muito singular, sendo intensamente sublimes e terrivelmente agressivos. Além dos grandiosos e incríveis trabalhos de suas próprias autorias, também já gravaram um cover magnífico da música “Cascade”, da banda Siouxsie And The Banshees. Já se eternizaram como um dos maiores representantes da música independente brasileira.

Genocídio Póstumo: 

Este é um dos vários projetos musicais do talentoso e versátil músico Fábio Melo. Os singles e álbuns do Genocídio Póstumo começaram a ser lançados em 2014 e, desde então, Fábio tem sido bastante ativo em suas produções. As abordagens temáticas são bem diversificadas, sendo que há letras e sonoridades mais introspectivas e sentimentais, enquanto outras são mais agressivas e caracterizadas por certa menções e conteúdos de cunho político e social. O Genocídio Póstumo segue uma linha musical de Power Electronics e Harsh Noise, e consiste num trabalho essencialmente underground e bastante original.

Os Maltrapilhos:


Um dos maiores clássicos do Punk Rock brasileiro. A despojada banda possui uma sonoridade crua e uma postura bastante crítica. Suas letras são bastante engajadas, e falam sobre temas como alienação e desigualdade social, questões políticas e etc. São eles os donos de um dos maiores hits punks da história da música brasileira, chamado “Punk Rock Nacional” - um verdadeiro clássico! Trabalham aos moldes do D.I.Y e atualmente estão produzindo um álbum novo muito promissor, que deverá ser lançado em 2019.

Banda "Os Maltrapilhos".
Poetisa Dissecada:

Uma das bandas darks que mais se destacou nos últimos anos. Aliás, é preciso citar que embora sejam essencialmente “darks”, também carregam uma enorme e clara influência do Punk Rock. Suas músicas são bem sombrias e suas letras são criativas e provocantes, fazendo menções e abordagens diversas e bem interessantes. É válido citar que o aspecto visual é um dos pontos fortes da banda, pois os integrantes costumam caprichar bastante na produção de suas roupas e cabelos. Já faz algum tempo que se firmaram como renomados representantes do cenário underground de nosso país.

Asfixia Social:  

Com influências que variam do Punk Rock ao Hip Hop, essa é uma banda cuja sonoridade é muito interessante e peculiar, sendo composta por instrumentos tradicionais como guitarra, baixo e bateria, que são incrivelmente acompanhados pelo som do trompete e trombone, aspecto este que torna as músicas bastante diferenciadas e especiais. As letras consistem em desabafos reflexivos sobre a sociedade, a existência, a realidade das ruas, e sobre a vida, em geral. É importante citar que a banda frequentemente participa de eventos relacionados à cultura de rua. Em seu currículo extenso e admirável, constam incontáveis premiações e diversas menções não apenas em território nacional, mas também em outros cantos do globo.

Labirinto:

Com mais de dez anos de estrada, é uma banda de grande criatividade musical, cujos integrantes são imensamente talentosos. O trabalho deles tem bastante reconhecimento por parte da crítica especializada e a banda tem bastante fãs pelo país e também fora do Brasil. A agenda está sempre cheia (e se você tiver oportunidade, recomendados que os assista pessoalmente) e os lançamentos musicais são frequentes. Eles produzem uma mistura instrumental de sons que é simplesmente alucinante e na qual tecem uma sonoridade repleta de texturas e experimentações diversificadas e de grande originalidade.




segunda-feira, 22 de abril de 2019

VIRGIN IN VEIL E MASQUERADE FARÃO SHOW INÉDITO NO BRASIL:

Por: Juliana Vannucchi


Em junho e julho, nosso país receberá pela primeira vez as bandas Virgin in Veil e Masquerade, dois grandes clássicos do Pós-Punk europeu, que consistem em projetos diferentes, formados pelos mesmos integrantes. Abaixo, apresentamos algumas informações históricas sobre as bandas, e uma breve análise de suas respectivas produções musicais. Confira! 

VIRGIN IN VEIL:

A banda é um verdadeiro ícone da cena underground europeia. Deu seus primeiros passos em 2015 e de lá pra cá, apesar do curto tempo de estrada, tocaram em vários países do globo, conquistaram muitos admiradores e obtiveram um reconhecimento bastante positivo por parte crítica. É composta por Jacques Saph (vocais e baixo), Suzi Sabotage (sintetizador), Veikko Jokelainen (guitarra) e William Freyermuth (bateria).

Virgin In Veil.
No final de 2015, a banda lançou seu primeiro EP, intitulado “The Glory Hole”, cuja ousada capa retrata uma orgia sexual, e que é composto por quatro faixas bastante obscuras e barulhentas. Posteriormente, lançaram dois outros álbuns: o “Deviances”, em 2016, e o “Twisted Thrills”, em 2017, ambos seguindo a mesma linha musical da primeira produção e todos de qualidade elogiável, pairando sobre uma aura terrivelmente melancólica e profundamente niilista.

Os trabalhos da banda se consolidam cada vez mais e o sucesso está numa crescente. Atualmente são uma das bandas mais bem sucedidas do cenário Pós-Punk. Obviamente isso resulta da dedicação, do talento e das boas produções por parte dos integrantes do Virgin In Veil.

Links oficiais:

Site: https://virgininveil.com/

Spotify: https://open.spotify.com/artist/1e4bwHKtyEwH4WXEBqjxHi

Facebook: https://www.facebook.com/virgininveil

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCr80Wk2BuK8cFPiuyeVoLWg

Instagram: https://www.instagram.com/virgininveil/

MASQUERADE:


A banda surgiu em 2012, na cidade de Helsinki, capital da Finlândia. É composta por Suzi Sabotage (fundadora e vocalista), Jacques Saph (co-fundador e baixista), Veikko Jokelainen (guitarra) e William Freyermuth (bateria). Até o momento, lançaram dois álbuns e dois EPs, sendo que a mais recente produção foi o álbum “Where Nobody Can Hear You Scream", de Novembro de 2018.

O Masquerade já se apresentou em palcos dos quatro cantos do mundo, tendo passado pelos EUA, pelo Japão, México, Rússia e por inúmeros países da Europa. O sucesso é cada vez maior e além de terem tocado em tantos locais diferentes, chegaram a participar de dois programas de TV da Finlândia, um deles chamado Tähdet, tähdet (da MTV3, transmitido em 8 de março de 2015) e a outra aparição foi no canal Yle Teema, para o qual deram entrevista.  


Em 2019, a banda finlandesa Masquerade fará apresentações inéditas no Brasil.
A banda produz uma sonoridade em que, por vezes, o instrumental soa de maneira melancólica e, em outros momentos, é um tanto agressivo. Esses aspectos sonoros são idealmente complementados pela voz belíssima e arrasadora de Suzi Sabotage, que com timbres poderosos, cria uma atmosfera adequadamente sombria às admiráveis alternâncias instrumentais acima mencionadas.

“Where Nobody Can Hear You Scream” é um ótimo álbum lançado e acredito que dentre todos os trabalhos da banda, merece destaque. A música de abertura é bem agradável e é moldada pelo admirável trabalho do baterista William Freyermuth, que fez um som bem tribal nessa faixa. Na sequência desse prelúdio barulhento, o álbum segue um caminho definitivamente sombrio e segue nesse clima até seu encerramento. De maneira geral, os riffs de Veikko são bem potentes e são a base responsável por guiar os caminhos de várias faixas. Por sua vez, o baixista Jacques Saph, cofundador do grupo, assegura uma harmonia melódica brilhante com som produzido por Veikko. E claro, todos esses elementos são complementados com a calorosa voz de Suzi Sabotage.

É preciso elogiar também o capricho técnico e profissional pelo qual a banda conduz sua carreira: os vídeos que eles lançam são muito bem elaborados e contam uma ótima edição. Além disso, todas as páginas oficiais que a banda tem na internet são bem ativas, e administradas de maneira exemplar, assegurando uma preciosa comunicação com o público. Nesse aspecto, o Masquerade é extremamente organizado e acredito que essa atitude exemplar pode servir de inspiração para muitas outras bandas undergrounds.

Links oficiais:

Site: https://masquerade.fi/

Bandcamp: https://masqueraded.bandcamp.com/

Facebook: https://www.facebook.com/masqueradepunk

Turnê brasileira:

- Rock Experience (Rio de Janeiro/RJ) - 28 de junho.

- Decadence Festival (Araras/SP) - 6 de julho.

- Madame (São Paulo/SP) - 7 de julho.

terça-feira, 2 de abril de 2019

SHOW DA ESCARLATINA OBSESSIVA EM SOROCABA:

 Por: Vannucchi
No dia 13 de abril, Karolina e Zaf, idealizadores e membros do duo Escarlatina Obsessiva, estiveram em Sorocaba para realizar o seu segundo show na cidade. Eles haviam tocado por essas terras poucos anos antes, ocasião na qual atraíram um enorme público no Asteroid, que é, certamente, um dos mais populares e gloriosos espaços de entretenimento do país. Dessa vez, em 2019, retornaram à casa de shows para mais uma apresentação única, que seria a grande atração da festa “Spiders”, que ocorreu naquela noite e na qual também tocaram as bandas “Tempos de Morte” e “Das Projekt”, respectivamente.
Nicholas, Zaf, Karol e eu.

Há algumas bandas e projetos musicais de nosso país (casos raríssimos), dos quais podemos esperar apenas coisas boas. A Escarlatina Obsessiva é um deles. Todos os álbuns são bons, e todas as apresentações que fazem ao vivo são igualmente boas. Capricho, dedicação, inovação e talento, permeiam em suas criações. E eu, desde outubro de 2015, os acompanho de perto. Desde essa época, percebi que ali havia um potencial único e diferenciado, que fazia com que se sobressaíram em relação a inúmeros outros projetos undergrounds. E nesse show do dia 13, eles, mais uma vez, confirmaram o quanto são especiais, cativando o público, fazendo-o cantar e dançar e arrancando dele muitos aplausos honestos. Acredito que tenha sido uma noite memorável para todos que estavam no Asteroid. Escutei muitos elogios, vindos de várias pessoas. A Karol e o Zaf podem se orgulhar, pois fizeram mais um ótimo trabalho.

Por tempo indeterminado, pretendo continuar acompanhando-os bem de perto. E a partir de agora, assim como outros fãs de Sorocaba, vou torcer muito para que em breve eles retornem para a minha cidade e façam novos shows por aqui. E claro, quero devorar mais umas coxinhas da Padaria Real na companhia deles!

Apresentação da EO no Asteroid (13/04/2019).

TwitterFacebookRSS FeedEmail