Fanzine Brasil

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

LONG LIVE TRANSA SOM DISCOS:

Por: Juliana Vannucchi


Há mais de trinta anos, a loja Transa Som Discos, localizada em Sorocaba, encanta os amantes do Rock And Roll residentes na cidade e região. Não importa a vertente: pode ser Punk Rock, Pop, Rock Progressivo, Dark, New Wave, Heavy Metal ou outras, lá podemos encontrar um pouco de tudo. Aliás, essa variedade de produtos não se restringe às ramificações do Rock N Roll, mas se estende a vários outros gêneros, tais como trilhas sonoras de filmes e novelas, música clássica, Disco Music, Jazz, Blues, MPB, entre outros.

Um dos grandes diferenciais da loja é essa diversificação, que a coloca num patamar especial. E além disso, outro fator de destaque é que lá é possível encontrar mercadorias (dentre as quais há CDs, DVDs, LPs e Blu-ray’s) novas e também seminovas – estas últimas, sempre em excelente estado de conservação. Sílvia Vannucchi, que frequenta o estabelecimento há mais de vinte anos, comenta: “Depois que conheci a TSD, nunca mais comprei CD em outro lugar e nem tenho interesse em comprar. Gosto da variedade de preço e acho legal o fato de terem CDs usados como uma alternativa ao consumidor. Também é preciso dizer que os funcionários da loja sempre tiveram um amplo conhecimento sobre música e sempre foram muito receptivos. E o Vilmar é uma pessoa incrível. Esse conjunto de qualidades não costuma ser encontrado em outros lugares”. Além de Sílvia, que conhece a loja desde seus primórdios, é interessante notar que há também uma clientela pertencente a uma geração mais nova, que também frequenta a Transa Som. É o caso de Fabrício Almeida, que declarou: “Já faz ao menos uns dez anos que vou lá. Gosto do atendimento! O Vilmar conhece muito sobre música e se importa com o gosto e opinião do cliente. E a loja marcou minha adolescência... Eu ia lá e era como se fosse um parque de diversões pra mim. Foi através da Transa Som que fui descobrindo meu gosto musical e conhecendo bandas pelas quais hoje sou apaixonado”. Essa menção de Fabrício reflete a situação de muitas pessoas de Sorocaba e região cujo gosto e/ou conhecimento musical tem suas raízes na Transa Som – e, de fato, o Vilmar está sempre com uma carta na manga, pronto para apresentar aos clientes algo de que vão gostar. 

"Depois que conheci a TSD, nunca mais comprei CD em outro lugar e nem tenho interesse em comprar". - Sílvia Vannucchi


"E a loja marcou minha adolescência... Eu ia lá e era como se fosse um parque de diversões pra mim". - Fabrício Almeida.

"A Transa Som é uma referência em seu segmento devido ao tempo que está na ativa". - Cleiner Micceno.
Vinicius Mariano (Vinnie), que desde a juventude frequenta a loja e já trabalhou no local, compartilhou suas memórias: “O que eu poderia comentar sobre a Transa Som Discos? Comprei meu primeiro disco lá (o Live After Death, do IRON MAIDEN), ia lá quase toda a semana e, principalmente, todos os sábados para “alugar” CDs (pode ser que hoje em dia isso soe surreal, eu entendo. Mas na época, era a única forma de ouvir o que chegava de novo em CD), comprei grande parte do meu acervo pessoal lá, fiz amizades intensas... ah, quantas conversas naquelas tardes e fim de tardes! Esses encontros eram “eventos” para nós. Eu ainda fui mais longe: realizei o sonho de trabalhar lá e sentir na pele aquele clima que só quem é amante da música pode entender. Sem dúvida, o melhor lugar que eu já trabalhei”. Vinicius também fez questão de ressaltar um aspecto valioso da Transa Som, que acho que já ficou claro até aqui: o atendimento ímpar de Vilmar: “E o que dizer de um cara fantástico como o Vilmar, que ainda está lá, contra todas as modas e tendências, com aquele sorrisão e um atendimento de outro planeta. E mesmo nos dias ruins, sempre lá, fazendo o que sabe de melhor. Um baita cara! E um pai pra todos nós, amantes da boa música! A TRANSA SOM faz parte da vida de cada um de nós. Mais de 30 anos de pé e ainda mandando bala! Nós só temos a agradecer a você, grande Vilmar! O privilégio é todo nosso”.


O público que verdadeiramente ama música, especialmente os fãs do Rock, definitivamente não se restringem a plataformas virtuais e por isso sempre irão gostar de materiais físicos”.- Marcos Gurgel.

"Realizei o sonho de trabalhar lá e sentir na pele aquele clima que só quem é amante da música pode entender. Sem dúvida, o melhor lugar que eu já trabalhei”. - Vinnie Mariano.

 
Transa Som Discos em seu novo endereço: Rua da Penha, 712.

Clássicos do Rock em formato de fita K7.
Esse atendimento diferenciado somado à vasta quantidade de produtos, tornou a Transa Som, mais do que uma loja, mas um verdadeiro “ponto de encontro” dos amantes do Rock And Roll. É o que comenta Cleiner Micceno, que também já foi funcionário da Transa Som: “Eu frequentei todos os endereços da loja. É uma referência em seu segmento devido ao tempo que está na ativa. Quem queria um disco de Rock na cidade, acabava indo pra lá, por mais que houvesse outros estabelecimentos que vendessem esse mesmo produto. Era um local onde podíamos nos encontrar com amigos... quem gostava de Rock, uma hora ou outra aparecia na Transa Som, que era um epicentro de quem gostava desse gênero musical. Lá sempre encontramos variedades, que vão desde os clássicos de Rockabilly até as farofas".

É interessante o fato de que, embora há cerca de vinte anos atrás, conforme citou Cleiner, a loja fosse um verdadeiro “point” para os fãs de Rock, atualmente ela permanece sendo um local aprazível para uma geração mais nova – que é, por exemplo, o meu caso e o caso de vários outros conhecidos da minha própria faixa etária, que são frequentadores da Transa Som. Fabrício, já citado, é um deles e, diga-se de passagem, é um amigo que eu conheci lá dentro, numa tarde qualquer, há aproximadamente cinco anos atrás. Mas há outros muitos outros jovens que vão até a Transa Som movidos pela paixão que nutrem pelo Rock And Roll. Matheus Matielo é um deles. Ele contou que foi lá que comprou alguns dos maiores e mais amados clássicos de sua coleção de LPs. Paulo Henrique Lopes, por sua vez, disse que desde a infância, quando passeia pela região central da cidade, costuma visitar a loja. Cláudio Sanches Júnior, residente em Salto de Pirapora, também se encontra nesse grupo, nessa “geração” mais nova de amantes da Transa Som. Júnior reflete: “É muito melhor ser recepcionado e atendido por alguém que está lá pela mesma razão que adentrei a loja: por ser um amante de música e apreciá-la, senti-la e não apenas ouvir de maneira mecânica e indiferente”. É claro que somado aos nomes citados aqui, há muitos outros jovens e também pessoas de faixas etárias variadas para as quais a loja é significativa. Ela faz parte da trajetória existencial de muita gente e, em várias situações, por consistir num ambiente tão acolhedor e confortável, representa, justamente, uma parte importante e marcante da vida de muitas pessoas.

Note-se que a Transa Som, em suma, é capaz de acolher gerações diferentes justamente pelo fato ter se mantido firme num mercado instável. Lembremos que no final dos anos noventa o vinil foi jogado para escanteio, e o CD se firmou com soberania como a grande novidade da indústria fonográfica. A loja acompanhou essa notável alteração ocorrida em seu segmento, mas ainda assim manteve-se fiel ao “bolachão”. E, aliás, ainda bem que Vilmar se propôs a conservá-los, pois de uns anos para cá, os discos de vinil voltaram a se firmar no mercado fonográfico e passaram a ser valorizados novamente. Recentemente, numa matéria publicada no site da revista Veja, vemos que o vinil não somente retornou com força ao mercado, mas provavelmente irá, inclusive, desbancar as vendas de CDs: segundo relatório da RIAA (sigla em inglês para Associação de Produtores de Discos da América), em breve os CDs devem ser superados em vendas pelos vinis. O consumo das “bolachas” teve uma alta de 12,9%, passando de 198,6 milhões em 2018 para 224,1 milhões de unidades comercializadas este ano. As vendas de CDs, enquanto isso, tendem a se estagnar: devem ficar em 247,5 milhões, contra 245,9 milhões no ano passado. A tendência é que, mais adiante, o LP supere o CD em vendas. (Revista Veja. Sérgio Martins. 23 de setembro de 2019). Não é à toa que, recentemente, grandes nomes da música, como Madonna e Pearl Jam anunciaram relançamentos de álbuns antigos em formato de vinil. É válido citar também que em meados dos anos dois mil, o advento da internet, que possibilitou o acesso gratuito e instantâneo a diversas músicas e álbuns, causou transformações na indústria fonográfica. As mudanças ocorridas nesse contexto ainda estão vigentes e não há como negar que muitas pessoas abandonaram tanto os CDs quanto os LPs para usufruir o formato MP3. No entanto, a Transa Som também sobreviveu a essa transformação mercadológica. A esse respeito, Marcos Gurgel (mais conhecido como “Marcão KISS”), que atualmente é funcionário da Transa Som Discos, comentou: “O público que verdadeiramente ama música, especialmente os fãs do Rock, definitivamente não se restringem a plataformas virtuais e por isso sempre irão gostar de materiais físicos”. Em relação ao futuro desse mercado, Marcão reflete: “As mídias sociais não são páreos para os produtos físicos. Enquanto houver quem ame música, a loja vai sobreviver.

Há alguns meses atrás, a Transa Som Discos migrou para um novo endereço (Rua da Penha, 712). O ambiente é amplo, organizado e confortável e tem agradado aos clientes. Essa mudança, definitivamente foi um grande acerto de Vilmar, que transformou o que já era ótimo, em algo ainda melhor. A loja que mudou a minha vida e a de muitas outras pessoas, permanece firme e de portas abertas, pronta para oferecer a todos as mais belas trilhas sonoras para suas vidas.

Long live Transa Som Discos...

Eu e os queridos amigos, Vilmar (esquerda) e Marcão Gurgel (direita).
 
Mais uma visita maravilhosa na Transa Som Discos...



 




0 comentários:

Postar um comentário

TwitterFacebookRSS FeedEmail